siga o margot robbie brasil em suas redes sociais!

Arquivo de 'Entrevistas'



06.07.16
ENTREVISTA TRADUZIDA: MARGOT ROBBIE PARA VANITY FAIR

MARAVILHOSA! Margot está estampando mais uma capa de revista e dessa vez é da edição de agosto da Vanity Fair. O ensaio foi realizado no Grand Cul de Sac lagoon em St. Barth’s pelo fotógrafo Patrick Demarchelier. A revista divulgou além da capa, o ensaio, entrevista, vídeo dos bastidores e outro vídeo da Margot definindo 50 gírias australianas em menos de 4 minutos. Vocês podem conferir tudo isso neste post. Confira abaixo:

Bem-vindo ao Verão de Margot Robbie

Lançada pela depravação do brilho de O Lobo de Wall Street, Margot Robbie é um nome de peso neste verão, estrelando em dois grandes filmes: Esquadrão Suicida e The Legend of Tarzan. As conversações da atriz australiana sobre sua rápida ascensão, sua primeira cena de sexo, e á América achava que ela não existia.

América está tão longe, temos que ir para a Austrália para encontrar uma garota. No caso de você se perdeu, o nome dela é Margot Robbie. Ela tem 26 anos é bonita, não dessa forma sobrenatural, ou das passarelas, mas em uma menor escala, um humor azul, uma dança lenta. Ela é loira, mas nas raízes seu cabelo é escuro. Ela é alta, mas apenas com a ajuda de certos sapatos. Ela pode ser sexy e todo o conjunto mesmo enquanto nu, mas apenas em caráter, ela é verdadeira. Como eu disse, ela é da Austrália. Para entendê-la, você deve pensar sobre o que isso significa.

Austrália é a América há 50 anos, ensolarado e lento, um retrocesso, razão pela qual você vai lá para ver as pessoas da reminiscência. Eles ainda vivem e morrem com o enredo que gira de telenovelas em Melbourne e Perth, ainda habitam em um mercado de massa única em Adelaide e Sydney. Na parte da manhã, eles assistem da Austrália Today show. Em outras palavras, é apenas como a América, apenas diferentes. Quando todo mundo aqui está acordado, todo mundo lá está dormindo, o que o torna uma ponte perfeita para estudar os nossos costumes, hábitos diários. Um ator australiano ambicioso vê Hollywood da forma como os marcianos vêem a Terra no início de A Guerra dos Mundos. Foi Robbie. Audição e estudar de longe como ela, que esperou o momento perfeito, a onda perfeita, que ela parou na praia na frente de sua cidade na costa australiana todo o caminho até os outdoors ao longo Sunset Boulevard, onde seu rosto é exposto em tamanho avassalador em um esforço para vender não um, mas dois blockbusters neste verão: The Legend of Tarzan , uma nova visão sobre o clássico, co-estrelado por Alexander Skarsgård, e Esquadrão suicida , um Batman desacorsoado e co-estrelado por Jared Leto e Will Smith, em que Robbie joga sidekick do Joker, fã Harley Quinn favorito.

Eu conheci Margot no restaurante no hotel Mark, no Upper East Side de Manhattan. É um local de celebridades. Você pode senti-los através das sombras, em suas cabines, acompanhando-o com olhos desconfiados. Ela entrou pela sala como uma caloura para o segundo semestre, finalmente, à vontade com o sistema. Ela parou em mesas ao longo do caminho para conversar com amigos. Não me lembro o que ela estava usando, mas foi simples, com o cabelo penteado em torno daqueles olhos dolorosamente azuis. Sentamos no canto. Ela olhou para mim e sorriu.

Robbie cresceu em Gold Coast, uma cidade na costa do Pacífico da Austrália, 500 milhas ao norte de Sydney. Em um filme antigo, você pode ter visto um sinal de cruzamento demonstrando o quão isolado era, quão longe das capitais conhecidos. Quatro mil milhas para Tóquio. Dez mil milhas para Londres. Sete mil milhas para Los Angeles. Margot vivia com a mãe e três irmãos, seus pais que se divorciaram quando ela era uma criança, viviam em uma casa nas colinas, a parte adormecida de uma cidade, na parte inferior do mundo. Sua mãe é uma fisioterapeuta. Seu pai faz algum tipo de agricultura e algumas outras coisas. De vez em quando, ela ficava com primos que viviam no interior do interior, onde havia realmente cangurus e uma canção que dizia “realmente o monstro vai comer o seu bebé”. Quando ela fala sobre isso, você vê o país árido, o horizonte de todos os lados, céu azul, campos amarelos. “Mas eu não gosto de falar sobre isso”, diz ela, porque apenas “incentiva estereótipos. As pessoas sempre querem saber, ‘Você teve cangurus fora da sua janela do quarto? Eu sou como, “Sim, mas nenhum dos meus outros amigos fez.’ Ou “Será que você tem cobras correndo por aí?’ E, novamente, “Sim, em nossa casa, mas isso não é uma coisa australiana.'”

Ela ficou presa em torno de Melbourne durante semanas, pousando nos apartamentos de amigos, tirando o momento antes que ela tinha ido embora, sendo bem-vinda, ela poderia antecipar-se como uma mudança no tempo. “Dormindo no sofá, que é uma arte.” De vez em quando, ela teria uma pequena parte no horário nobre. Seu agente queria fazer uma audição para Neighbours, a telenovela australiana. A beleza de Robbie e velocidade de subida mascaravam a sua ambição, a agitação por parte é esclarecida atuando. Ela foi a caçada, nome do Neighbours empresa de produção e começou a bombardeá-la. “Eu liguei para eles todos os dias, e, finalmente, um dia, eles me passaram a Jan Russ, uma produtora de Neighbours”, disse Robbie. “Eu tenho ela no telefone quando eu estava prestes a sair Melbourne. E eu era como, ‘Oh, eu estou aqui filmando um papel fui convidado. -Posso encontrá-lo?’ Entrei e ela estava tipo, ‘Quantos anos você tem?” ‘Dezessete.’ E ela diz: “Nós estamos buscando uma menina de 17 anos de idade no momento.'”

Algumas semanas mais tarde, Robbie fez sua estréia como Donna Freedman, uma espécie de tiete que nunca se cala. “Eu estava sentada na cadeira de maquiagem e tinha 60 páginas para memorizar, porque meu personagem fala tanto”, ela me disse. “Ela era a única que iria entrar e ser um turbilhão, blá blá blá, la, la, la, falar, falar, falar, e correr para fora novamente. Nós fizemos um episódio por dia. Em termos de cinema, isso é insano. Ele estava treinando algo incrível.”

Algumas semanas depois, ela era famosa. Na Austrália.

Eu perguntei se as pessoas em casa estavam orgulhosos de seu sucesso.

Ela pensou por um momento, depois disse: “Há uma coisa na Austrália chamada síndrome de alto-papoularismo. Você já ouviu falar? É uma coisa bastante prevalente mesmo, ensinam na escola. As papoulas são flores altas, mas elas não crescem mais alto do que o resto das flores, por isso há uma mentalidade na Austrália, onde as pessoas são realmente felizes por você fazer bem; você simplesmente não pode fazer melhor do que todos os outros ou eles vão cortá-lo para baixo e diminuí-lo”.

Neighbours, Home and Away – a maior novela australiana serve como um sistema para a indústria de cinema americano. De um jeito ou de outro, todo ator que estrelou em uma novela australiana tem ido para Hollywood. Alguns deram certo. Russell Crowe, Naomi Watts, Guy Pearce, Heath Ledger, Chris Hemsworth. A maioria falhou. Robbie estudou essas pessoas e seus destinos assim como você possivelmente estuda as vidas dos santos, prestando uma especial atenção nos fracassos. Fracasso é o que ensina você – você aprende mais a partir de um erro do que de uma vitória. Quando seu contrato com Neighbours estava perto de ser renovado, ela preferiu em vez disso, ir para LA, onde ela fez uma audição para o reboot da série de TV ‘As Panteras’ (Charlie’s Angeles) da ABC. Ela não conseguiu o papel, mas, como eles disseram, os executivos da ABC gostaram dela para uma outra coisa: Pan Am, uma série de aeromoças criada pela mania pós-Mad Men. Ela sublimou seu sotaque australiano para aquela leitura, cambaleando para um sotaque americano meio desafinado. “Você tem que fazer o teste na frente de todos os produtores”, ela me disse. “É chamado de teste, e eles testam, digo, três a seis atores por papel. Você está em frente de um painel de executivos, e o showrunner, e todos eles, em uma sala com um projetor. É horrível, é o processo mais intimidante. E você tem que assinar o seu contrato antes do teste; você assina para sete anos antes mesmo de saber [se você tem a parte]. Eles não querem perder tempo testando pessoas que vão virar e dizer, ‘Eu valho um milhão de dólares por episódio.”

Robbie conseguiu um papel como Laura Cameron, uma noiva em fuga que abandona a vida de casado para um romance por asas de prata, motores a jato, e céus azuis. Ela falou sobre como era divertido viver e trabalhar em Nova York. Um apartamento em Williamsburg. Noites nos alpendres. Os sotaques e os personagens, os trechos mais ouvidos da comédia de rua.

Após os primeiros episódios, ficou claro para Robbie que Pan Am não iria ter uma segunda temporada. “Assim que ele passou no ar, eles estavam como, ‘Não, nós não conseguimos as classificações que queremos-vamos começar uma nova equipe inteira de roteiristas e torná-las mais como donas de casa.” E você fica tipo,’O que? Não era assim que o show seria.’ Depois do quinto episódio, você vê esta mudança abrupta no conteúdo. Se eles estão contratando roteiristas, obviamente a coisa não está indo bem. Se eles não pegarem os nove de volta, é quase certo que você não irá para uma segunda temporada.”

Enquanto isso, ela estava escapando para audições. Ela leu para o papel de Naomi – “a Duquesa de Bay Ridge” – em O Lobo de Wall Street de Martin Scorsese, baseado nas aventuras do comerciante sem escrúpulos Jordan Belfort. Na tela, Terence Winter descreve a personagem simplesmente como “a loira mais gostosa de todas.” Uma trabalhadora nascida no Brooklyn, a Duquesa engata-se a um viciado em drogas, moralmente comprometido prodígio interpretado por Leonardo DiCaprio. Na audição, Robbie saiu do roteiro para bater fortemente no rosto de DiCaprio. E conseguiu o papel. Outros papéis seguiram, nenhum particularmente memorável. Como Celine Joseph em Suite Française. Como a repórter de guerra em Whiskey Tango Foxtrot de Tina Fey. Como uma artista que está sendo educada por Will Smith em Focus. Mas nenhum destes importa. Foi Lobo que a definiu. A colocou com Sharon Stone em Casino e Cathy Moriarty em Raging Bull – uma das mulheres de Scorsese.

Como Robbie é nova em cena, os repórteres estão tentando consertá-la com uma narrativa. O trabalho da jornalista de celebridades: sustente-os não somente como se você os conhecesse mas como sempre tivesse os conhecido ou alguém parecido com eles. Mas Robbie é muito nova para ser sustentada. Menos sendo do que se tornando. A mais recente teoria a tem como uma celebridade desconfortável com a fama. Um caso de remorso de comprador. Ela fala sobre o seu irmão mais velho, um dublê que tem todas as excitações dos filmes sem as desvantagens da fama. Ser reconhecido, observado, assediado. Essa é a vida melhor, apenas um profissional entre profissionais, ninguém melhor, melhor do que ninguém? Eu perguntei a Robbie sobre sua história emergente. Eu chamei isso de tese. É verdade? Você é a mulher famosa que não quer ser famosa?

“É [verdade] até um certo ponto, mas não é a tese sobre mim como pessoa,” ela diz. “Quando você coloca isso como uma tese, parece que é a única questão na minha mente. Mas esta é apenas umas das questões, uma das coisas que eu penso. Como as coisas seriam diferentes se eu tivesse tomado decisões diferentes?”

O fato é, apesar da fama crescente, papéis de grande destaque e contratos publicitários – Robbie é o rosto da nova fragância da Calvin Klein Deep Euphoria – ela leva uma vida bastante normal. É o luxo de ser do mundo inferior. Em papéis maiores, ela teve que usar um novo sotaque junto a figurinos e maquiagem. Quando a gravação termina, ela volta para a sua voz normal, desaparece. De tênis e gírias, ela desaparece na rua de Nova York. Ou na rua de Londres. É onde ela vive, em um apartamento com amigos não-famosos, sempre uma perspectiva complicada. Isso inclui seu namorado, Tom Ackerley, quem ela conheceu enquanto gravava Suite Française – ele era o assistente do diretor – sua amiga de infância e assistente pessoal, Sophia Kerr, e outra amiga, Josey McNamara. Juntos, os colegas de quarto formaram uma produtora, LuckyChap Entertainment, a qual está desenvolvendo projetos para Robbie, incluindo Terminal, um thriller de Vaughan Stein, e, meu favorito, a história de Tonya Harding, na qual Robbie vai refazer-se no personagem mais americano que já tivemos.

Eu lhe perguntei sobre os sotaques, especialmente a representação bem feita da costa do Brooklyn em O Lobo de Wall Street. Era uma vez, os trens do centro da cidade estavam cheios de meninas que falavam exatamente daquele jeito. Robbie me disse que ela já passou dois anos aprendendo a parecer americana, “dois anos aprendendo sobre os músculos da sua boca e estruturas ósseas e ressonadores e tudo isso, então, eu tive uma boa base.” Para Lobo, ela continuou com o treinador de dialeto Tim Monich, “um dos melhores do mundo,” disse Robbie. “Pessoas reais. Nos baseamos em mulheres de Bensonhurst e Bay Ridge.”

Como você deixou a novela?, perguntei.

“Eu queria uma morte grande e dramática”, ela disse, “mas eles eram como, ‘Não, nós queremos mantê-la em aberto. Dessa forma, quando você não se der bem na América, você pode voltar para o seu trabalho aqui.‘ Então, minha personagem em Neighbours obteve uma bolsa de estudos em uma escola de moda em Nova York.”

Sobre seus primeiros dias nos EUA – como foi?

Ela riu. “Lembro-me de assistir a filmes americanos e programas de TV enquanto crescia e pensava , Oh, Deus, esses personagens loucos fazendo essas coisas estranhas, como os escritores pensam neles? Então me mudei para a América e conheci tantas pessoas como as pessoas nos filmes, e eu percebi, Oh, isto é apenas a vida real nos Estados Unidos.”

Falamos sobre Esquadrão Suicida, o spin-off de Batman que estreia este mês. Robbie interpreta Harley Quinn, uma psiquiatra de Nova York, que se apaixonou pelo Joker, enquanto ele estava em terapia, tornando-se primeiro o seu interesse amoroso, em seguida, seu ajudante e um super-vilão em seu próprio direito. A personagem, que entrou em Batman através da série de animação em 1992, foi desejada na tela pela paixão de um milhão de geeks da cidade de Gotham. Há um perigo personificando um avatar tão amado, mas imagens de Robbie em traje – tranças tingidas de vermelho e azul, batom vermelho-escuro, sorriso louco, e empunhando um taco de beisebol, como um dos gangsters em The Warriors – agitaram a comunidade em antecipação. Warner Bros. já começou a desenvolver um filme em que Harley Quinn vai ancorar, com a atriz também assumindo funções da produção.

O que é Harley Quinn? A mais assustadora de todas as anomalias de circo, a palhaça sexy. “Ela adora causar caos e destruição,” Robbie me disse. “Ela é incrivelmente dedicada ao Joker. Eles têm uma relação disfuncional, mas ela o ama de qualquer maneira. Ela costumava ser uma ginasta, isto é o seu conjunto de habilidades durante a luta.”

A conversa finalmente chegou em Tarzan. Pelos últimos anos de sua vida, o produtor do filme Jerry Weintraub, que morreu quando o filme estava em pós-produção, tem tentado trazer Tarzan de volta às telas. Tarzan, o clássico da juventude dos bairros periféricos de Jerry, os cinemas escuros do Bronx, a selva chora e balança trepadeiras. Foi a baleia-branca do velho homem, o santo graal brilhando no final do sonho, dentro e fora dos trilhos, enquanto ele perseguia roteiros, diretores e estrelas de cinema da magnitude adequada. “George Burns interpretou Deus,” ele disse, “mas isto é Tarzan!” Por um momento, Jerry acreditou que havia encontrado Tarzan no nadador olímpico Michael Phelps. Era tudo o que Jerry falava. “Será como Johnny Weissmuller,” Jerry me disse. “Todos os repórteres dirão, ‘Weintraub encontrou o novo Johnny Weissmuller!'” Neste ponto, Jerry jamais havia visto Phelps fazer nada além de entrar e sair de uma piscina. Então, como se tivesse sido arranjado, o nadador apresentou o Saturday Night Live. Como isso aconteceu na antiga hora de dormir de Jerry, ele pediu a sua assistente para gravá-lo. Eu estava trabalhando com Jerry em seu livro de memórias na época, um projeto que saiu de um perfil da Vanity Fair em 2008, e então sentei próximo a ele na manhã seguinte em sua sala de estar em Beverly Hills, cafés da manhã idênticos em bandejas idênticas atrás de nós, e minhas porções ligeiramente menores. Enquanto ele assistia ao monólogo de Phelps, eu o observava, seu humor mudando de animado para perturbado, verde para vermelho. Dois minutos depois, Jerry virou para sua assistente e gritou, “Isso não é Tarzan! Isso não é Johnny Weissmuller! Ele é um tonto! Por que ninguém me avisou que ele é um tonto? Desligue isso. Desligue isso, droga!”

Essa foi a meio de uma pesquisa que finalmente levou a Alexander Skarsgård como Tarzan e Robbie como Jane. Jerry falou da atriz em um tom que ele reservou para as grandes estrelas, as coisas certas, o Clooneys e Pitts, aqueles cuja magnitude parece antiquado. “Quando penso em Margot Robbie, uma única palavra vem à mente”, disse Jerry. “Audrey Hepburn.” Ao comparar Robbie com a estrela de filmes clássicos, Jerry Weintraub quis dizer que ela é grandiosa, lucrativa e elegante.

Veria o filme alguns dias depois. É fascinante. Aqui é um conto em que a própria premissa é problemática: um bebê branco é deixado na África mais escura, o misterioso Congo, e, dentro de uma geração, é rei. Anos mais tarde, confortavelmente situadas na aristocrática Inglaterra, ele deve retornar para libertar escravos africanos. É uma configuração que tachas duro para o vento de tantos tabus atuais. Há momentos em que o seu coração está em sua boca e você sussurra para si mesmo: Oh, por favor Deus, deixe-os fazer com segurança através da noite escura do Twitter. A maior parte do filme foi rodado na Inglaterra, em uma selva falsa de tela verde. Os gorilas parecem tanto com os gorilas em Planeta dos Macacos, você meio que espera um libertador símia começar a falar diretamente para Bright Eyes.

Cada geração tem seu próprio Tarzan. O meu era Christopher Lambert em Greystoke: A Lenda de Tarzan, Lord of the Apes. Jerry foi Weissmuller, o Tarzan original dos anos 30 e 40. Para Robbie, Tarzan era um personagem de um desenho animado das manhãs de domingo.

Você voltou e assistiu o velho Tarzan?, perguntei.

“Não, eu não queria ter quaisquer noções preconcebidas sobre como eu deveria interpretar”, disse ela. “Iria mexer com a minha cabeça.”

Ela pensou por um momento, então disse: “Eu só vi uma exibição de nosso Tarzan. Foi triste vê-lo, sabendo que Jerry não vai conseguir vê-lo. É chato… é uma coisa que sempre quis fazer. Isso é o que ele disse: “. Eu tenho vontade de fazer isso por tanto tempo'”

Isso me fez sentir solitário e triste. A noção de que uma pessoa como Jerry Weintraub pode simplesmente desaparecer da terra, que ele pode ser removido como uma peça do tabuleiro, e o jogo continua – é tão ridícula, uma torta na cara da humanidade de tão cruel, é melhor nem sequer falar sobre isso. Claro, eu não conseguia parar de pensar nele. Em seu roupão de seda vermelho, com as pernas e tornozelos pálidos, encontrando-se em cima de sua cama, em Beverly Hills, seu pastor alemão, Sonny, ao seu lado, beber uma vodka ou dizer uma oração ou chamando através do intercomunicador para Susie Ekins, seu outro significativo e uma produtora de Tarzan-Soozie. Sooz. Soozie. Sooz.

Eu olhei para Robbie de uma nova maneira, tentando vê-la como ela deve ter olhado para Jerry. Um eco, um retrocesso. “Uma única palavra: Audrey Hepburn.” De outro lugar, uma outra hora. Nela, Jerry pode ter visto uma espécie de pureza perdida, o que temos dado para a emoção de uma cultura crasso, roda livre, saturada de sexo. É uma revolução sugerida por dois pontos na obra Margot Robbie. É como Pan Am, uma fantasia da América, onde Bryn Mawr levou meninas para o céu em busca de maridos e depois tornar-se a Duquesa que fica parada, nua em frente à porta, virando-se lentamente como uma Ferrari em uma plataforma de uma sala de exposição, uma humana sendo refeita no final do século 20, drogada, sem dinheiro, e pendurada na parede como um troféu.

Perguntei para Robbie sobre as cenas de sexo. Em Wolf, ela participa de algumas das mais gráficas travessuras na tela que eu já vi, famosa cena em que está de vestido curto, empurrando um DiCaprio para longe com a ponta do sapato, dizendo: “Mamãe está tão doente e cansada de usar calcinha.”

“Nesse primeiro filme de baixo orçamento que fiz na Austrália, eu tinha uma cena do chuveiro”, ela me disse. “Então, eu estava praticamente nua lá também, mas não foi em qualquer lugar, tanto quanto em Wolf, mas ainda assim foi…”

Ela fez uma pausa, depois continuou.

“Na verdade, eu não tinha feito uma cena de sexo adequada antes. Eu tinha feito cenas onde se está levando para o sexo ou quando o sexo acaba de terminar, mas eu não tinha feito uma cena de sexo início ao fim como eu fiz em Wolf. Essa foi minha primeira.”

Existe alguma maneira para se preparar?

“Não. Toneladas de pessoas estão assistindo você”.

Você estava preocupada em não conseguir fazer?

“Não tem uma opção. É como, isto é o que você precisa fazer – ir em frente. Quanto mais cedo você fizer, mais cedo você pode parar de fazer isso.”

Parece muito estranho.

“É tão estranho.”

Nós nos sentamos para um momento de silêncio. Ela estava pensando em alguma coisa; Eu estava pensando em outra coisa. Então ela se levantou, despediu-se e foi ver um amigo do outro lado da sala. Jerry estava certo. Ela pareceu exatamente como Audrey Hepburn indo embora.

» Confira o ensaio em nossa galeria:

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2016 > VANITY FAIR – AGOSTO

» Margot Robbie define 50 gírias australianas em menos de 4 minutos

» Bastidores do ensaio

Tradução e Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil
Fonte
postado por Mari na categoria Entrevistas
05.07.16
VÍDEO: MARGOT NA RÁDIO BBC ONE EM LONDRES

Hoje de manhã, Margot e Alexander Skarsgard foram entrevistados por Nick Grimshaw na Rádio BBC One em Londres. Confira:

postado por Mari na categoria Entrevistas
03.07.16
Margot Robbie para o programa Sunday Night

Em recente entrevista para o programa Sunday Night, Margot Robbie fala um pouco sobre sua carreira e também de sua vida pessoal. Confiram:

Ela marcou alguns dos papéis femininos mais recentes, cobiçados e ousados em Hollywood – a partir do Wolf of Wall Street’s para a desequilibrada supervilã de Esquadrão Suicida.
Mas a estrela australiana Margot Robbie diz que ela às vezes se esforça para se sentir como uma mulher forte, confiante de que ela tantas vezes retrata na câmera.

“Eu gostaria de ser uma mulher forte, que nem sempre sente isso com certeza”, disse Margot repórter Sunday Night Denham Hitchcock.

“[Eu entendo] de minha mãe. Ela é, sim, ela é incrível.”

“Ela é emocionalmente muito forte.”

Mesmo em seu último papel como Jane no remake do blockbuster de Tarzan ela não retrata a clássica donzela em perigo.

“Eu realmente gosto da visão sobre ela e é definitivamente concebida para ser moderna nessa releitura de uma história bem conhecida.”

A 26 anos é agradavelmente real e descontraída. Após uma série de filmes em que seu corpo foi colocado em foco extremo, ela diz que gostava de provocar seu co-estrela Alexander Skarsgård com comida durante as filmagens de Tarzan.

“A inversão de papéis, é tão bom”, ela riu.

“Eu poderia comer qualquer coisa e ele estava sofrendo e no começo eu era como” Agora você sabe como atrizes se sentem ‘, e então eu apenas me sinto realmente mal por ele.

“Eu disse, ‘Desculpe, eu irei comer o meu bolinho em outro lugar porque você está prestes a chorar.”

Sua rápida ascensão começou nos subúrbios de Queensland, onde seu amigo sugeriu que ela fizesse um teste para um filme local.

“Meu melhor amigo, Christian Radford, temos sido melhores amigos desde que nascemos, ele me disse sobre esse pequeno filme indie que estavam filmando na Gold Coast. Ele estava indo para filmar e me dizia algo como, ‘Você deve fazer a audição, porque eles precisam de um personagem jovem’.”

Ela conseguiu o papel no filme de terror ‘I.C.U.’ e com apenas 17 Margot fez as malas e seguiu um bom caminho para Ramsay street.

Hollywood logo em seguida, onde ela conseguiu sua grande chance ao lado de Leonardo DiCaprio.

“Eu não queria desempenhar o mesmo papel por muito tempo”, disse ela sobre deixar Neighbours.

“Porque eu já poderia dizer dentro de mim que eu estava começando a tocar-me um pouco.”

Sua energia chamou a atenção dos produtores; eles ainda a elogiaram quando ela bateu Leonardo no rosto.

“Eu estava meio alto no momento e isso não estava no roteiro, mas eu estava gritando com ele e então eu lhe bati na cara, em vez de apenas dizer uma linha.”

“Assim que eu fiz rapidamente me retirei da cena e pensei, ‘Oh meu Deus, o que você acabou de fazer?”

“Mas eles eram como,” Isso é ótimo, você deve fazer isso de novo.”

Seria um sonho tornado realidade para qualquer atriz iniciante, mas Margot teve um objetivo diferente em mente.

“Quando eu comecei a trabalhar e eu comecei a ganhar dinheiro, eu estava falando com um gerente de negócios e eles disseram:”Você deve começar a investir o seu dinheiro, o que você quer fazer com o seu dinheiro? “E a primeira coisa que eu disse era que queria pagar a hipoteca da minha mãe.”

“A cada dois meses eu fazia um check-in como ele, ‘Será que temos o suficiente?’ e ele seria como, ‘Não, ainda não “… E, em seguida, eventualmente, ele dizia,’ Você pode ter recursos para pagar hipoteca da sua mãe agora.”

Ela manteve o plano em segredo de sua mãe – que tinha criado Margot e seus três irmãos sozinha – até que ela teve seu dinheiro junto.

“Eu me sinto muito sortudo que eu realmente tive a oportunidade de fazer isso”

“Foi definitivamente um dos melhores momentos da minha vida”

Tradução: Equipe Margot Robbie Brasil

postado por Solania Ferreira na categoria A Lenda de Tarzan
29.06.16
VÍDEOS: Margot no Jimmy Kimmel Live

Para divulgar o filme A Lenda de Tarzan nos EUA, Margot participou do programa Jimmy Kimmel Live na noite de ontem, 28. Confira os vídeos abaixo e as capturas em nossa galeria:

Margot disse que em seu aniversário de 24 anos ela teve a idéia de fazer uma festa de aniversário que durou 24 horas! A festa começou 9 da manhã e ela e seus amigos foram comemorando por alguns lugares em Londres com direito a troca de fantasias e mais. E disse que comemorou seus 25 anos no set de Suicide Squad e que fizeram um bolo enorme para ela! Eles iam filmar essa cena do gif no dia e a Margot estava preocupada porque ela comeu o bolo todo e iam perceber!

Margot também mostrou uma foto do seu 13° aniversário e disse que é a pior foto de toda a vida dela! Ela disse que não precisa de óculos mas fez a mãe dela comprar para que ela pudesse parecer mais com o Harry Potter!

INICIO > CAPTURAS DE TELA | SCREEN CAPS > OUTROS > JIMMY KIMMEL LIVE – JUNHO

postado por Mari na categoria Entrevistas
26.06.16
Margot Robbie zomba de críticos de Hollywood: ‘Talvez eles encontrarão sexismo no Alexander tendo sua camisa tirada’

Margot Robbie tem zombado dos críticos de Hollywood que acham controvérsia em qualquer coisa.

A estrela de Esquadrão Suicida brincou dizendo que os críticos podem se focar em seu colega de elenco em A Lenda de Tarzan, o ator de True Blood Alexander Skarsgård.

“Talvez eles encontrarão o sexismo em Alexander tendo sua camisa tirada tantas vezes enquanto eu não”, disse ela ao The Sunday Times. “É isso aí. Estamos objetivando Alex e seu magnífico torso.”

Robbie também abordou a questão da idade em Hollywood, após críticas de que ela era muito jovem para interpretar as amantes de Will Smith em Golpe Duplo e de Leonardo DiCaprio em O Lobo de Wall Street.

“Will não aparentar ter a idade que tem e eu não aparento ter a minha idade. Ele parece muito mais jovem do que ele é. Eu pareço bem mais velha. Eu não posso interpretar uma jovem. Ninguém vai me colocar como se eu tivesse 16 anos”, ela explicou.

“Talvez eu vá fazer um alardo sobre isso quando eu estiver em meus quarenta anos e alguma atriz de 20 anos estiver recebendo todos os bons papéis.”

E por falar em aparência, Robbie notou que ela teve de convencer agentes de casting que ela podia lidar com papéis mais carnudos, e em filmes independentes como Z for Zachariah para provar a si mesma como atriz.

“Com indie, as pessoas estão mais dispostas a ter uma chance”, ela se expandiu. “Se eles anexar o seu nome e você tiver um valor de bilheteria, então eles podem ter as suas finanças de cinema. Depois de provar a si mesmo lá, um filme maior terá uma aposta.”

Talvez a visão mais surpreendente na entrevista é a revelação de que Robbie vai para boate Infernos em Clapham.

“Até o momento eu vou para Infernos, eu pareço tão revoltante que ninguém vai olhar duas vezes”, ela brincou, antes de acrescentar que talvez lá é cheio de atores famosos: “Leo dá uma volta por lá, e ninguém nunca percebe.”

Tradução e Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil
Fonte
postado por Mari na categoria Entrevistas
25.06.16
Margot e Alexander Skarsgard realizam Q&A no Facebook

Como parte da divulgação de A Lenda de Tarzan, na tarde de ontem, 24, Margot e Alexander Skarsgård realizaram um Q&A na página da revista Vanity Fair no Facebook. Confira abaixo alguns dos momentos da live:

Durante a live, Margot anunciou que será a capa da edição de Julho da Vanity Fair e que a capa será revelada na semana que vem.

Para assistir o Q&A completo, clique aqui.

postado por Mari na categoria A Lenda de Tarzan
14.05.16
Margot Robbie é a capa da Vogue de Junho (entrevista traduzida + ensaio de fotos)

Margot Robbie é a capa da revista Vogue do mês de Junho! E além da capa, um ensaio de fotos incrível foi liberado, junto com a entrevista encontrada na revista.

Confira o ensaio de fotos em HQ na nossa galeria de fotos clicando nas miniaturas abaixo:

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2016 > VOGUE US – MAIO

E confira a entrevista completa traduzida pela equipe do MRBR abaixo:

Margot Robbie explica porque ela não é uma dama em apuros
Com dois grandes blockbusters no horizonte, a sua própria empresa de produção, e uma abordagem não-aceite-prisioneiros para o mundo em geral, Margot Robbie é a estrela mais brilhante que queima em Hollywood neste verão.
Quando Margot Robbie apareceu em The Big Short no ano passado em uma aparição de 60 segundos—interpretando ela mesma—para explicar o que “fazer um curto-circuito” em um contrato significa, enquanto bebia Dom Pérignon na banheira do condomínio de um bilionário em Malibu, eu subconscientemente a curti. Aqui, ao que parecia, estava aquela menina que te convida a olhá-la e depois te diz para ir se ferrar se você olhar por muito tempo. O fato de que apenas dois anos atrás ela tão ferozmente habitou o papel da interesseira mais bonita na história do cinema em O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, permanentemente fixando-se na libido masculina coletiva, serviu apenas para reforçar a minha preocupação de que ela talvez poderia ser alguma nova geração de superpredadora de alta manutenção. Felizmente, a aparição acabou por ser uma mentirinha inteligente em um filme sobre mentiras grandes e gordas. Esta foi Margot Robbie interpretando sua caricatura—a fantasia Playboy em foco-suave permanente.
Então, vem como uma surpresa—até mesmo um alívio—conhecer Robbie em Abril no Cais de Santa Monica e descobrir que ela não é nem remotamente parecida as gatinhas manipulativas ela tem sido tão assustadoramente boa em retratar nas telonas. É idéia de Robbie que a gente faça uma aula de trapézio juntos, e por isso aqui estamos nós, bem no meio de um parque de diversões sobre a água. Robbie, em calças de ioga e um top branco, o cabelo preso para cima em um rabo de cavalo bagunçado, passa inteiramente despercebida, o que tem algo a ver com o fato de que, vestida para um treino sem maquiagem, ela é igual a toda pessoa que você passa no Sul da Califórnia—porém mais bonita. Ela é menor e mais compacta do que eu tinha imaginado, e tem o aspecto atlético de alguém que praticava esportes na escola, juntamente com o andar gracioso e equilíbrio natural de uma mulher que está acostumada a se mover através do mundo sobre as bolas dos seus pés como uma dançarina.
Eu assumi que Robbie tinha feito trapézio para um dos papéis muito exigentes fisicamente que ela interpeta em dois filmes de grandes estúdios, saindo neste verão—Jane em A Lenda de Tarzan, co-estrelado por Alexander Skarsgård e dirigido por David Yates, em julho, seguida pela psicopata muito amada Harley Quinn em Esquadrão suicida, com base em personagens de uma força-tarefa da DC Comics e dirigido por David Ayer, que sai em agosto e parece que irá transformá-la em um nome da casa—mas eu tinha assumido errado. Quando Robbie estava crescendo na Austrália, sua mãe a enviou para a escola de circo—ela recebeu seu “certificado de trapézio” quando ela tinha oito anos. Porém, ela não tinha pensado nisso em anos, até que começou a ter um sonho recorrente não muito tempo atrás em que estava voando pelo ar. “Eu não conseguia parar de pensar naquele sonho estúpido”, diz ela, e assim encontrou este lugar e fez algumas aulas. “Eu sinto que eu perdi a minha vocação.” Ela move suas mãos e se prepara para subir até a plataforma.
Uma de nossas instrutoras, Kenna, uma ruiva vestindo óculos de sol amarelos comicamente grandes, lembra de Robbie de sua última visita. Enquanto Kenna está nos prendendo em nossos cintos de segurança, ela pergunta à Robbie de que parte da Austrália ela é. “Gold Coast em Queensland”, diz Robbie, seu sotaque ficando mais forte com a simples menção de sua terra natal. “Eu vejo um monte de TV lixo”, diz Kenna “incluindo Australia’s Next Top Model, e as meninas de Gold Coast definitivamente não são respeitadas por meninas de Sydney e Melbourne.” Robbie ri consciente e diz que não, mas porque entrou em modo de sotaque australiano completo, ele sai como um “neeerrroh!”. “Eu não tinha idéia que eu estava vivendo em um estado do qual as pessoas riem até que me mudei para Melbourne”, diz Robbie “e então alguém disse, ‘Oh, você é de Queensland, eh? Vocês colocam “Eh?” no final de suas sentenças, porque são todos um pouco lentos.’ Eu disse, ‘Isso é verdade? Que Queensland é o estado burro?’ É tão embaraçoso.”
Com isso, outro instrutor, CR, aparece para nos ensinar os melhores pontos de trapézio. Há momentos de ausência de peso no pico de cada balanço da barra, que é quando você deve mudar de posição, ou “jogar o truque.” “Desde que você faça a mudança no momento certo”, diz ele, “você dificilmente tem que suar. É tudo questão de tempo.”
Robbie (precisamente, elegantemente) lança um truque após o outro, com o que parece pouco esforço. “Ela é repugnantemente boa nisso”, diz Kenna enquanto estamos de pé no cais observando-a acima de nós, e eu não posso deixar de pensar que essas habilidades também aplicam-se na vida de Robbie aqui embaixo, na terra: Ela tem tem mostrado um talento especial para fazer seus movimentos exatamente no momento certo, sem suor. Aos dezessete anos, com muito pouca experiência atuando—algumas peças da escola, alguns comerciais, um filme de baixo orçamento que ela descreve como “mal um filme de estudante”—ela mudou-se para Melbourne e conseguiu um papel na novela australiana ‘Neighbours’, o drama de mais longa duração na história do país, um trabalho que ela teve por três anos. Em 2011, depois de trabalhar muito duro com um treinador de dialeto para aperfeiçoar o sotaque americano, ela mudou-se para Los Angeles e começou imediatamente uma parte na série de TV de vida curta ‘Pan Am’. Um papel de apoio no filme About Time a seguiu, e depois ela foi escolhida para ser Naomi—a sirigaita de Bay Ridge—em O Lobo de Wall Street. Foi uma performance definidora de carreira, que deixou as pessoas meio: Quem é essa?
Jared Leto, seu colega de trabalho em Esquadrão Suicida, diz “Ela assumiu um papel que outras pessoas teriam tido dificuldade de interpretar e elevou-o para algo espetacular. Ser capaz de estar ao lado de Leo [DiCaprio], um dos titãs da indústria, e estar lá cara-a-cara, golpe por golpe, e não só manter-se firme, mas realmente brilhar, foi uma espécie de descoberta rara, explosiva. Isso me lembrou de Michelle Pfeiffer em Scarface”.
De primeira, Robbie não tinha certeza de que ela queria desempenhar uma personagem tão perspicaz. “Quando li pela primeira vez, eu pensei: eu não tenho nada em comum com ela. Eu a odeio. Foi realmente complicado entendê-la. Mas sua motivação foi ‘Vocês estão fazendo isso, por que não deveria? É o mundo deste homem, e eu vou pegar o que é meu.’ E eu entendo isso.”
Agora, dois anos mais tarde, aos 25 anos, ela é a garota do momento, à beira de um grande verão. A Lenda de Tarzan, dirigido por Yates, que nos trouxe o melhor dos filmes de Harry Potter, é uma reinicialização A de uma franquia de filmes B, da qual os realizadores esperam que irá levantar o personagem para fora do pântano, para o século XXI. Quando a Warner Bros.—tendo mantido um olhar atento sobre os jornais enquanto Robbie estava filmando ‘Golpe Duplo’ com Will Smith no final de 2013—aproximou-se dela para falar sobre interpretar Jane, sua primeira reação foi: Não é para mim. “De maneira alguma eu iria interpretar a donzela em perigo”, diz ela. Mas então ela leu o roteiro. “Pareceu muito épico e grande e mágico de alguma forma. Eu nunca tinha feito um filme assim. Os filmes de Harry Potter poderiam ter sido muito bregas, mas David Yates os transformou em algo escuro e fresco e real—além do mais, iríamos filmar em Londres, e eu, por um capricho, tinha acabado de assinar um contrato de arrendamento de uma casa lá.” Para Yates “uma despretensão, um verdadeiro pragmatismo, foi evidente a partir do momento em que a conheci. Há algo muito verdadeiro sobre ela, e essas qualidades foram muito importantes para Jane—alguém que está aberto a experimentar a beleza do mundo.”
Naturalmente, mais cedo ou mais tarde, Tarzan conhece Jane. “Eu a conheci em L.A. cerca de um ano antes de filmar o filme,” diz Skarsgård, “pouco antes de O Lobo de Wall Street sair. Ela vivia neste pequeno apartamento em Hollywood. Nós deveríamos apenas tomar um café e conversar sobre o projeto, mas passamos o dia inteiro juntos. Lembro-me de ter ficado impressionado com o quão legal e matura ela era. E, em seguida, Lobo saiu, e ela passou de uma relativa obscuridade para ser a atriz mais quente de Hollywood.” Quando Tarzan finalmente começou a filmar em Londres, “ela estava vivendo em uma casa com outras seis pessoas,” diz Skarsgård, “uma espécie de fraternidade, e nos fins de semana ela iria para Amsterdã para dormir em camas de beliche em um albergue com mochileiros canadenses, ou para algum festival de música no norte da Inglaterra e dormir em uma barraca. Ela não é preciosa, de forma alguma.”
A história do Esquadrão Suicida, entretanto, é que todos os bandidos do mundo dos super-heróis que estão trancados na prisão são oferecidos a oportunidade de fazer algo de bom—uma missão suicida—para terem suas penas reduzidas. Harley Quinn é tanto a terapeuta como a namorada do Coringa, interpretado por Leto. “Ela nem sequer tem superpoderes,” diz Robbie. “Ela é só uma psicopata que corre ao redor alegremente matando pessoas—ela se sente feliz ao causar caos, o que a torna estranhamente simpática e divertida de se assistir.”
O papel, diz Ayer, exige “um monte de trabalho pesado para um ator. Mas ela é uma menina resistente, e ela é incrivelmente inteligente e madura além de seus anos. Ela tem uma profundidade ridícula, e nunca foi mimada, então é muito fisicamente corajosa. As coisas que ela estava fazendo ela mesma, como acrobacias, você não iria acreditar. Há apenas um punhado de atores que faz esse tipo de trabalho eles mesmos.”
Robbie estava filmando o pouco apreciado ‘Whiskey Tango Foxtrot’ com Tina Fey no Novo México pouco antes de ir para Toronto filmar Esquadrão Suicida. “Ela tinha um personal trainer literalmente seguindo-a no estudio para que pudesse estar pronta para Esquadrão Suicida”, diz Fey. “Ela é muito forte. Há uma cena em Whiskey Tango onde ela me dá um soco e diz: ‘Nós vamos sair hoje à noite!’ Eu tive essa hematoma enorme no meu braço por dias.” Fey é louca por Robbie. “Ela não se leva muito a sério”, diz ela. “E ela tem esse passado fazendo novela, o que eu acho que é ótimo. Essas pessoas simplesmente fazem uma escolha e não pensam demais sobre ela. Eles não pensam que atuar cura a fome no mundo e etc.”
Quando nossa aula de trapézio chega ao fim, encontramos o motorista de Robbie. Conforme caminhamos de volta ao seu hotel em West Hollywood, seu telefone toca. É o namorado de Robbie de dois anos, Tom Ackerley, o assistente de diretor que ela conheceu em 2013 no set do drama da II Guerra Mundial “Suite Française”. “Oi, querido”, diz ela ao telefone. “Só dominando um truque novo. Sim, estou muito satisfeita comigo mesma. “(Mais tarde, quando eu pergunto sobre Ackerley – quem ela descreve como “o cara mais bonito em Londres”, ela diz: “Eu era a única garota solteira. A ideia de relacionamentos me fazia ter vontade de vomitar. E então ele apareceu para mim. Fomos amigos por tanto tempo. Eu sempre fui apaixonada por ele, mas pensei: Oh, ele nunca iria me amar de volta, não faça disso estranho, Margot. Não seja estúpida e diga a ele que você gosta dele. E então aconteceu, e eu fiquei tipo, é claro que estamos juntos. Isto faz muito sentido, de um jeito que nada fez sentido antes.”)
Ackerley está realmente ligando para falar de negócios: ele e Robbie, juntamente com o amigo de Ackerley, Josey McNamara, que também é assistente de diretor, e melhor amiga de infância de Robbie, Sophia Kerr – fundaram uma empresa de produção, LuckyChap, um ano atrás. Os quatro vivem juntos naquela casa em Londres e estão planejando se mudar para Los Angeles no final deste ano. Eles já adquiriram cinco projetos, um dos quais é o roteiro de ‘I, Tonya’, o tão aguardado filme biográfico de Tonya Harding que Robbie vai estrelar. (Robbie é uma skatista, ela jogou em uma equipe de hóquei no gelo amador quando se mudou para New York City em 2011 para filmar Pan Am.) Seu primeiro filme, Terminal, um thriller noir distópico, acaba de começar a filmar na Hungria. Robbie interpreta uma garçonete cuja linha de história amarra todos os outros juntos. “Nós escolhemos o filme indie mais desafiador que se possa imaginar – não é comercialmente viável do ponto de vista de um financista”, diz Robbie. “É raspar anos fora de minha vida. É um trabalho muito difícil, mas muito gratificante e muito mais poderoso do que apenas estar interpretando. Eu estava começando a me sentir como um pequeno peão se movendo em torno da placa: Vá aqui! Faça isso! Seja ela!”
“Esta é uma coisa muito inteligente para ela fazer”, diz Fey, “porque, caso contrário, como uma peça de fundição, ela sempre vai ter alguém dizendo: ‘Você parece incrível, mas nós adoraríamos que você pesasse menos. ‘ Já aos 25, ela é como, você sabe o quê? Eu vou optar por sair dessa merda e estar em frente com a minha carreira.”
É início da noite quando finalmente chegamos no hotel de Robbie. Nós caminhamos pelo bar, e esbarraramos em Sandy Powell, a lendária figurinista, que está bebendo com um amigo. Quando isso acontece, Powell fez os figurinos para O Lobo de Wall Street, e Robbie me diz que a maioria daquelas roupas, eram as roupas reais de Powell dos anos noventa. “Eu dizia: ‘Onde você conseguiu isso?”, E ela dizia:’ Ele é meu. Eu costumava usá-lo o tempo todo. ”
Passamos a piscina, e não há uma pessoa à vista. “Eu queria tanto um mergulho”, diz ela. “Você se importa se eu pular na piscina?” Ela foge para sua suíte, enquanto eu me sinto em casa em uma chaise e peço uma bebida. Quando ela reaparece, ela está vestindo um maiô de uma peça branca com uma ilustração do desenho animado vagamente sugestivo de uma banana descascada, metade estampada na frente, e cortes denim. Ela parece felizmente sem saber que o processo se parece com algo que, digamos, Pamela Anderson teria usado na década de noventa. Isso me faz lembrar de algo que Cara Delevingne – que interpreta Enchantress em Esqudrão Suicida – disse sobre Robbie. “Eu estava tendo uma conversa com ela na noite do MTV Movie Awards”, disse Delevingne. “Neste mundo de celebridade e Hollywood, muitas pessoas agem como se estivessem sendo vigiado o tempo todo, mas Margot não age assim em tudo. Ela está constantemente dançando como se ninguém estivesse a olhando”.
Ela despe seu Daidy Dukes e se atira na água. Em um ponto, ela submerge apenas para a parte inferior do nariz. De repente, com o cabelo penteado para trás, percebo que ela me lembra: Margaux Hemingway, em um famoso ensaio dos anos setenta por Douglas Kirkland. Robbie sai da piscina e se deita na espreguiçadeira ao meu lado. Menciono a semelhança, e ela pesquisa. “Uau”, diz ela. “Que maravilhosa.”
Devido principalmente a sua adolescência, Robbie parece premiar uma espécie de conforto atlético acima de tudo (embora ela não ame o tapete vermlho “Eu acho que eu gosto da parte de se preparar mais do que o evento real, para ser honesta” ). Mas a sua propensão para se vestir também é uma medida tática. Aqui no hotel, como no cais antes, ela se passa completamente despercebida. “Se eu me visto assim, as pessoas não olham duas vezes. Mas assim que eu coloco a maquiagem e um vestido e tenho o meu cabelo feito – Eu não posso ficar dez metros sem ser reconhecida.”
Eu menciono as várias grafias de seu nome, Margaux, Margo, Margot. “Eu sempre disse: ‘Mãe – há uma maneira muito legal de soletrar meu nome, e você escolheu a maneira chata que fica todo mundo confuso. Eles esquecem o T ou me chamam Mar-got ‘ “, diz ela, rindo. (Seu apelido de infância era Maggot.) “Agora todo mundo está finalmente soletrando meu nome direito – Foi assim que soube que eu tinha conseguido.”
Robbie foi criada com seus três irmãos por uma mãe solteira, Sarie Kessler, uma fisioterapeuta, em uma pequena casa (seus pais se divorciaram quando ela era jovem). “Adoro a minha mãe”, diz Robbie. “Ela é o ser humano com o maior coração puro e divino.” Nós começamos a falar sobre as semelhanças em nossas infâncias: muitas crianças, criados em uma casa com apenas um banheiro, todos trabalhavam para ajudar nas despesas, o tipo de configuração que pode escaldar o coração com ambição. “Eu fui a uma escola onde todos os meus amigos eram bem de vida”, diz ela, “e eu ia muito para as suas casas, e então eu sabia o que parecia ser rico mas eu não ter, então eu era como: OK, eu sei exatamente o que quero ” Ela trabalhou em vários serviços casuais- atendente de bar, fazendo sanduíches, vendendo pranchas – o que lhe deu muita confiança em uma idade jovem.. “Toda essa coisa de falsa confiança realmente funcionou para mim. Quanto mais vezes você fizer isso, mais você percebe que ninguém realmente sabe o que está fazendo; de todos os tipos de se adequar ou fingir que sabe até que eles sabem. E você pode aplicar isso a qualquer coisa, você apenas tem que se apressar.”
A desenvoltura de Robbie, misturado com ambição e um pouco de ingenuidade – definiu sua carreira desde antes mesmo de começar. “Eu estava assistindo TV um dia, talvez eu tinha quinze anos”, diz ela. “Havia uma menina da minha idade fazendo uma cena, e ela disse sua fala, e não foi bom. E eu me lembro de pensar, eu poderia ter feito melhor. E então eu pensei, bem, por que ela está fazendo isso? Por que não é comigo?”
Para um, cada pessoa com quem falei sobre Robbie apontou duas coisas: sua vontade de tentar qualquer coisa e sua incrível capacidade de ser boa em tudo. Um par de anos atrás, quando ainda havia oito pessoas que vivia naquela casa em Londres, Robbie fez uma regra: Ninguém podia entrar a menos que obtivesse uma tatuagem da casa. Então, eles encontraram um artista chamado Pedro com uma loja nas proximidades, e um dia, enquanto Pedro foi tatuar Ackerley, Robbie pediu para ir lá. “Eu tenho um pouco de fascinação mórbida com agulhas”, diz ela. “Há já alguns casos, quando eu colocava piercings.” Pedro, eventualmente, entregou a arma, Ackerley cedeu, e, bem, ela ficou viciada. Como um presente envoltório após Tarzan, Sophia – sua melhor amiga/colega de casa/ parceira de negócios – lhe comprou uma arma de tatuagem no eBay, e em breve, entre as cenas, enquanto gravava Esquadrão Suicida, diz Robbie, “as pessoas que entravam em meu trailer: ‘Ei, Margs – posso fazer uma tatuagem?’ “Claro – sente-se no chão!'” ela até deu a Delevingne algo que ela apelidou de “toemojis”-Cinco emojis na sola dos pés. “E, em seguida, todos nós decidimos tatuar Squad, David Ayer incluído”, diz Robbie. Agora, ela viaja com seu kit de tatuagem em todos os lugares que ela vai.
Nós dirigimos até a sua suíte do hotel, onde Sophia estava trabalhando duro em LuckyChap, e em pouco tempo Robbie criou seu empório de tatuagem na mesa da sala de jantar. The Rolling Stones tocando estridente de um laptop, e ela está me dando a minha primeira tatuagem. Nós tínhamos discutido mais cedo, em teoria, e se estabeleceu no númro cinco romano (V), porque meu aniversário é 05 de maio e o V representa o meu sobrenome. E, bem, por que não, qualquer coisa para uma história, não? Ela esboçou algumas ideias no meu notebook, e depois no meu braço, e em seguida, depois de alguns falsos começos, em questão de minutos, ele é feito. Eu amo isso, eu digo. “Eu estou tão feliz”, diz ela. De repente, Sophia grita: “Oh, meu Deus! Olhem para a lua!” E ambos saltamos para cima e nos juntamos a ela nas portas de vidro deslizantes. Nós três olhamos em silêncio por um momento na maior e mais brilhante lua que qualquer um de nós já viu. E então Margot Robbie, cuja própria estrela está muito brilhante agora, diz, “A lua está brilhando. Literalmente. Estamos ouvindo os Rolling Stones. E eu lhe dei uma tatuagem. Tão perfeitamente Hollywood!”

via Vogue

postado por Gabriella Braga na categoria Entrevistas
11.05.16
Woman’s Day: Como Margot Robbie prova que ela não é “apenas um rosto bonito ”

Margot Robbie está certificando-se que ela seja reconhecida em Hollywood por causa de seu trabalho, e não apenas por causa de sua aparência deslumbrante.

Em uma entrevista para a revista australiana Woman’s Day, a atriz de 25 anos falou sobre seus desejos para não cair em um certo estereótipo por causa de sua beleza.

“Eu quero manter a procura de papéis onde o principal interesse está no caráter e sua importância na condução de uma história, em vez de seu relacionamento com um personagem masculino.”

“Filmes como Lobo de Wall Street e Focus me deu a chance de interpretar uma mulher carismática e inteligente”, ela continuou. “Mesmo que elas tenham um lado glamouroso.”

Em seu papel em Whiskey Tango Foxtrot, a vemos interpretar uma correspondente de guerra com Tina Fey e ela admitiu a Woman’s Day que, embora a parceria tenha sido intimidante no início, as duas atrizes rapidamente encontraram um terreno comum.

“Nós fomos, tipo, jogadas juntas na forma como as nossas personagens do filme começam a se conhecer, mas Tina é uma pessoa maravilhosa – tão generosa e amigável – foi muito fácil sentir confortável perto dela”.

Fonte

postado por Mari na categoria Entrevistas
28.04.16
NY TIMES: Para Margot Robbie, o movimento nunca para (+ensaio de fotos)

O site do The New York Times publicou uma matéria sobre Margot Robbie, onde a mesma deu uma entrevista contando sobre seus papéis em “Esquadrão Suicida” e “A Lenda de Tarzan” e sobre sua vida no momento. Confira a tradução, feita pela equipe do Margot Robbie Brasil, abaixo:


Margot Robbie veio correndo para o chalé escondidinho que estava alugando aqui. Ela tinha terminado de gravar a voz de um cachorro falante para um filme animado da DreamWorks, e em uma tarde de Abril estava fazendo seu melhor para arrumar roupas espalhadas de malas muito cheias — prova de que uma planejada visita de uma semana à Los Angeles tinha se estendido à um mês.

“Me desculpe por estar tudo tão louco,” disse a atriz de 25 anos, que nasceu na Gold Coast, Austrália, e vive em Londres, ainda que não tenha visto nenhuma das duas cidades em um bom tempo.

“Eu sempre estou, tipo, ‘Não, tudo irá se acalmar semana que vem,'” ela disse em um momento mais relaxado, esticada em um sofá patio ao lado de um travesseiro desbotado que dizia “God Save the Queen” (Deus salve a rainha).

“Então, a semana seguinte acaba sendo mais louca ainda.”

Senhorita Robbie estava no limite da jornada itinerante que a consome desde 2013. Tudo começou grosseiramente no momento em que uma audiencia mundial a descobriu em “O Lobo de Wall Street”, dirigido por Martin Scorsese, interpretando a amante que se transformou em esposa de um corretor inescrupuloso interpretado por Leonardo DiCaprio.

Depois de três anos trabalhando implacavelmente em filmes, ela está pronta para dois de seus papéis mais proeminentes neste verão, em filmes de franquia cujo sucesso poderia transformá-la de uma aspirante à estrela à uma estrela mais do que merecida.

Primeiro, ela será vista como uma autoconfiante e decididamente não-frágil Jane em “A Lenda de Tarzan”, uma nova aventura daquele herói da selva estreiando dia 1º de Julho. Logo após, dia 5 de Agosto, ela estrela em “Esquadrão Suicida”, baseado nos quadrinhos da DC Comics, como Harley Quinn, uma criminosa que empunha um bastão de beisebol e um sotaque do Brooklyn com igual ferocidade.

Estas perspectivas soariam como os sonhos de um ator se tornando realidade, porém elas tem solicitado que Robbie se pergunte se são de fato o cumprimento das suas aspirações.

Enquanto tomando cuidado para não soar ingrata, ela está lutando abertamente com o que significa ser tão visível e se isso era exatamente o que ela imaginou fazendo nesta fase de sua carreira.

“É sempre uma confusão”, disse ela. “Eu pensei que seria uma montanha onde você chega ao topo e então é tipo: ‘Aeeee! É tão fácil depois disso. ‘”

Em vez disso, Robbie disse: “Toda vez que eu chego perto do topo, eu fico tipo ‘Tem outra montanha!’  E a agitação continua.”

A terceira de quatro irmãos criados por uma mãe solteira, Robbie tem estado em movimento quase perpétuo desde o final de 2010, quando seu contrato em “Neighbours” terminou, uma novela australiana na qual ela interpretou uma mulher bissexual de espírito livre, em busca de seu pai biológico.

Dentro de dias, ela estava em um avião para Los Angeles em busca representação e testes para pilotos da TV americana. Ela foi rapidamente escalada para o drama de época da emissora ABC, “Pan Am”.

“É muito mais divertido para as pessoas descreverem como ganhar na loteria e ‘sensação da noite pro dia'”, disse ela. “Mas foi tudo muito estratégico: Estas são as etapas que precisam ser realizadas.”

O cancelamento de “Pan Am” após apenas 14 episódios foi na verdade um golpe de sorte, permitindo-lhe assumir papéis na comédia romântica de Richard Curtis “About Time” e depois “O Lobo de Wall Street.”

Seu desempenho formidável (e o sotaque Nova Iorquino) em “O Lobo de Wall Street” tornou-se seu cartão de chamada. Mas também lhe exigiu que aparecesse em várias cenas de nudez, incluindo uma em que ela aparece para o personagem de DiCaprio vestindo apenas um par de meias e saltos altos.

Robbie disse que teve dificuldades com aquela sequência provocante. Recordando os seus pensamentos no momento, ela disse: “O sacrifício que tenho que fazer é que eu tenho que fazer essa coisa nudez que eu realmente não quero fazer. Mas eu tenho a chance de trabalhar com o Scorsese, o que eu realmente quero fazer. Ok, o que pesa mais?”

Embora o diretor tenha dito que ela poderia fazer a cena com um roupão ou roupas de baixo, Robbie disse que uma vez que ela se investiu na personagem: “Eu fiquei tipo, ela não faria isso, de jeito nenhum. Ela ficaria totalmente nua. ”

Desde então, Robbie já atuou em “Suíte Française” (adaptado da ficção de Irène Némirovsky) e o suspense “Focus” (com Will Smith).

Mas é para “O Lobo de Wall Street” que os cineastas continuam a voltar.

David Yates, o diretor de “A Lenda de Tarzan”, disse que, ver Robbie nesse filme a fez parecer “glamourosa e excitante”, mas também o levou a se perguntar, ela vai ser “apenas um sabor do mês”?

O diretor (cujos créditos incluem quatro filmes do “Harry Potter” assim como o próximo “Animais Fantásticos e Onde Habitam”), disse que para seu “Tarzan”, ele conscientemente evitou criar uma Jane “que era muito vulnerável, que precisava ser salva.”

Ao conhecer Robbie, Yates disse que revelou-se uma mulher que era a certa para o papel mas diferente do que ele esperava.

“Ela é muito pragmática”, disse ele. “Ela é muito perspicaz. Apesar do fato de que é muito bonita e bastante ambiciosa de uma boa forma, ela tem seus pés no chão”.

Para Robbie, “Tarzan” exigiu bastante tempo na frente de telas verdes em Londres, fingindo correr de animais falsos ou suportar uma monção.

(No meio das filmagens, ela comemorou seu 24º aniversário com uma festa de 24 horas de duração. “Muitas pessoas me falaram, ‘Margot, estou cansado’, ela disse. E eu respondi, ‘Nós ainda não terminamos!'”)

Ela enfrentou um tipo diferente de prova de resistência se preparando para “Esquadrão Suicida”, cujo elenco inclui também Will Smith e Jared Leto, e no qual Robbie é uma depravada em uma equipe de vilões incompatíveis transformados em heróis.

Da sua primeira conversa no Skype com Robbie, o diretor e roteirista do filme, David Ayer, disse: “ela foi uma pessoa muito analítica e séria.” Ele acrescentou: “Mas assim que ela se sente confortável, ela realmente se abre”.

Essa era a atriz que Ayer disse que queria para a desequilibrada Harley Quinn, que poderia trazer à vida as “mudanças de engrenagem da personagem, as incursões selvagens que de repente podem ser reais e devastadoras.”

Como Harley Quinn, Robbie mais uma vez teve de colocar muito de seu corpo à mostra: A personagem quase sempre usa shorts minúsculos e é vista, em um trailer, colocando uma camiseta apertada. Robbie disse que pode justificar o guarda-roupa: Sua personagem está “usando shorts curtos porque é brilhante e divertido”, ela disse. “Não porque ela queria que caras olhassem para seu traseiro.”

Mas, ela acrescentou: “Como Margot, não, eu não gosto de usar isso. Estou comendo hambúrgueres no almoço, e então você vai fazer uma cena onde está encharcada em uma camiseta branca, é tão pegajosa e você não se sente muito confiante sobre isso. ”

Mr. Ayer disse que “eu não acho que um macacão jeans seria apropriado para essa personagem”, e que Robbie entendeu “que é parte da iconografia.”

Robbie disse que quando ela está interpretando personagens que são confiantes sobre sua aparência – digamos, uma correspondente de guerra auto-confiante na comédia de Tina Fey “Whiskey Tango Foxtrot” ou uma versão satírica de si mesma, explicando hipotecas de alto risco em um banho de espuma em “The Big Short” — ela não está necessariamente se sentindo daquele jeito.

“Você precisa agir como se pensasse que é muito linda,” ela disse “e você precisa estar completamente convencida com isso, porque todo mundo vai acreditar também.”

Robbie disse que ela pode fazer isso “quando eu tenho certeza que não sou eu.”

Se houver uma sequência de “Esquadrão Suicida”, ela disse, meio brincando e meio não, “Eu não vou vestir shorts curtos da próxima vez.”

Suas co-estrelas de “Esquadrão Suicida” descreveram Robbie como uma performer cuja tenacidade é olhada da maneira errada, superficialmente.

“Você pode se enganar ao pensar que ela é uma pessoa muito descontraída, mas ela é muito, muito séria sobre o que ela faz”, disse Jai Courtney, um colega australiano que interpreta o Capitão Bumerangue.

“Sua busca para isso vem sido realizada obstinadamente”, disse ele. “Ela merece isso. Ela trabalhou para isso. Mas ela também não está descansando sobre quaisquer louros ou presentes ou atributos físicos. ”

Robbie tem ajudado a criar uma nova empresa de produção, LuckyChap entretenimento, para desenvolver projetos que ela poderia estrelar, como um filme planejado sobre Tonya Harding, uma patinadora olímpica desgraçada.

Começar a produzir, ela reconheceu, é também uma forma de alavancar sua fama de bom grado antes que outros possam explorá-la.

“Demorou um pouco de tempo para entender que, oh, você é uma mercadoria agora, e há um valor colocado em sua cabeça”, disse ela. “Alguém sempre vai estar usando seu nome e tirando vantagem disso. Então, você pode deixar seus amigos fazerem isso.

Quando perguntada se ela sentiu que tinha conseguido o que ela esperava quando chegou a Hollywood, Robbie pensou por um momento antes de responder não. Ela não conseguia dizer o que ela queria no passado, mas descreveu um vôo de fantasia que recentemente passou por sua cabeça.

“Muitas vezes eu fico tipo, ‘Eu deveria ter sido uma dublê'”, disse ela. “Eu amo fazer acrobacias e estar no set, mas então você não teria que ser famosa.”

Mas então, ela disse, “Você não pode voltar o relógio.”


Além da entrevista, o TNYT liberou um novo ensaio fotográfico de Margot por Emily Berl. Confira a mesma em nossa galeria, clicando nas miniaturas abaixo:

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2016 > PARA O THE NEW YORK TIMES – ABRIL


 

via TNYT

postado por Gabriella Braga na categoria A Lenda de Tarzan
22.03.16
Margot Robbie diz que poderemos ver Harley Quinn com sua fantasia original “Bobo da Corte” no futuro

Em entrevista recente com o website Hello Giggles, Margot Robbie revelou muitas coisas sobre o filme “Esquadrão Suicida”. A mesma fala de sua animação para ver o filme, como conseguiu o papel de Harley Quinn e até revela que podemos ver a personagem em seu uniforme clássico dos quadrinhos no futuro.

Confira a entrevista traduzida abaixo:

HelloGiggles: Você está tão animada para Esquadrão Suicida quanto nós?

Margot: Eu acho que estou mais animada do que qualquer outra pessoa para esse filme. Nem tentarei fingir que estou legal com isso. Estou morrendo para vê-lo! Quando as pessoas dizem “mal posso esperar para ver”, eu fico tipo “você não tem ideia! Quero ver mais do que você quer!”. Acho que vai ser tão legal, e eu amo como tem uma personagem feminina que é poderosa e que é realmente mais engraçada e louca e forte do que alguns dos personagens masculinos. Eu acho que isso raramente acontece. Sabe, ela ser a mais divertida no grupo. É um filme de conjunto, e o conjunto é tão forte. Cada membro do elenco é brilhante. Todos os personagens são tão bons, todos tem seu próprio momento no filme, e trabalhar com eles foi uma das experiências mais gostosas da minha vida. Eu amo esse “squad”.

HG: Então, se tivessem mais filmes do Esquadrão Suicida, você seria a primeira a assinar para eles?

Margot: Absolutamente.

HG: Como você conseguiu o papel?

Margot: Eu estava prestes a assinar para outro projeto, e a Warner Bros ouviu sobre. Antes que eu o fizesse, eles entraram em cena e falaram, “Antes de fazer isso, considere este papel, pois você não quer perdê-lo!” E eu disse “Oh, ok, me deixe ler o script.” E eles disseram que não tinha script! Então eu disse “Ok, quem mais está nele?” E eles disseram “Ainda não tem ninguém!” E eu disse “Okay, o que é esse filme?”. A única informação que eles me deram foi “Harley Quinn é uma personagem de quadrinhos,” e eu nunca tinha lido eles. Então, eles me disseram que David Ayer iria dirigir. Aquilo foi tudo que precisei ouvir, e disse “estou dentro”. Eu estava obcecada com End of Watch (filme dirigido por ele), achei que era tão bom, e o assisti umas quatro vezes. Eu acho que ele é tão talentoso, e fazer um fime de quadrinhos com um diretor como David, que vai fazer tudo tão obscuro e legal e diferente, para mim, soou exatamente o que as pessoas deveriam estar fazendo com filmes de quadrinhos. Eu estava dentro. E você sabe, felizmente, o produto final se tornou algo ainda melhor do que eu poderia imaginar.

HG: Mas você ainda faria o papel se eles tivessem tentado te colocar na fantasia de “Bobo da Corte” da Harley?

Margot: Oh, nós tentamos todas as variações da fantasia! Não posso enfatizar o suficiente quantas roupas, e quantas variações da fantasia da Harley Quinn nós tentamos. Tentamos o “Bobo da Corte”, tentamos o corset e a saia, tentamos as calças de couro, nós tentamos literalmente todos os tipos possíveis de fantasias para ela. Eu realmente amo onde nós terminamos. E quem sabe… talvez nas sequências iremos com a fantasia do Bobo da Corte. Eu acho que tem um mundo de possibilidades.

HG: Eu continuo lendo sobre como Jared Leto adotou o modo “method” de atuação para o papel, e pelo que eu vi nos trailers você tem bastante tempo de tela. Você também se encontrou “caindo” no papel completamente?

Margot: Não, não sou uma atriz “method”, e acho que ninguém seria meu amigo se eu adotasse esse método com a Harley. Minha melhor amiga, que é minha assistente, não acho que ela aguentaria isso!

Esquadrão Suicida vai aos cinemas em Agosto de 2016!

postado por Gabriella Braga na categoria Entrevistas