Margot Robbie e Saoirse Ronan falaram brevemente com a revista EW sobre seu novo filme, Mary Queen of Scots, e revelaram que as duas só se viram uma vez enquanto estavam filmando. Confira:

A primeira vez que Saoirse Ronan e Margot Robbie se encontraram no set de Mary Queen of Scots, elas terminaram no chão, chorando nos braços uma da outra.

Era o primeiro dia de Ronan como a realeza do título, e o último de Robbie como sua prima e rival, Elizabeth I. As duas atrizes foram separadas nos ensaios e produção até esse momento; Robbie filmou na Inglaterra, Ronan na Escócia, e a pedido delas, elas nunca se encontraram enquanto estavam em personagem antes da única cena juntas. “Nós realmente, realmente não queríamos ver uma a outra,” disse Ronan. “Eu amo a Margot e eu queria ficar com ela, mas queríamos que o encontro fosse essa coisa especial.”

Ainda assim, quando chegou a hora de encenar o confronto das rainhas, bom… “Nós estávamos chorando como idiotas,” Ronan conta para EW. “Ficamos nos abraçando por muito tempo, não queríamos soltar. Ficamos tipo,” ela abaixa sua voz para demonstrar o soluço, “Huohooouuughh.” Ela ri. “Eu nunca passei por nada parecido.”

Mas então, sua personagem da vida real também nunca passou por isso. Historiadores acreditam que a Rainha da Escócia e a Rainha Virgem nunca se encontraram, mas a diretora anteriormente de teatro, Josie Rourke foi inspirada pela peça do século 19 de Friedrich Schiller, Mary Stuart, onde Mary e Elizabeth ficam frente a frente no palco. “O conceito inteiro do filme para mim girava ao redor desse encontro,” Rourke diz sobre o drama histórico. “Nós realmente queríamos ter a nossa versão dessa famosa cena, com essas duas mulheres olhando uma para outro e sendo confrontadas por suas escolhas – suas escolhas pessoais e políticas. É um momento que é profundamente pessoal.”

E profundamente emocional. As lágrimas no set podem ter sido causadas pelas altas expectativas (e animação) de capturar o único momento que as estrelas compartilham na tela, mas Robbie achar que essas lágrimas também significou o quanto elas mergulharam na tragédia da história de suas personagens. (Para Elizabeth: Sua mãe foi decapitada por seu pai. Para Mary: Ela perdeu seu marido antes de completar 18 anos. E as duas eram alvos constantes de grupos religiosos, conspirações políticas e tratados matrimoniais.) “Eu subestimei o quanto suas vidas eram difíceis, e o quanto de dor vinha com esse poder,” Robbie diz. “Era bem mais.”

Baseada na biografia de 2004 de John Guy sobre Mary, o filme segue as monarcas do século 16 durante sete anos quando uma Mary viúva retorna para a Escócia esperando tomar seu trono de Elizabeth. Apesar de Elizabeth – alerta de spoiler de quase 500 anos! – ordenar que Mary seja presa e executada, Robbie nunca pensou nas duas como inimigas. “Elas possuem essa irmandade, esse amor uma pela outra, mas o amor é complicado pelo fato de que a sobrevivência de uma ameaça a outra,” ela explica. “É uma história de amor entre essas duas personagens. Uma história de amor muito, muito complicada.”

Talvez seja por isso que Rourke acha mais fácil explicar seu filme sobre o relacionamento de Mary e Elizabeth em termos de quadrinhos clássicos e fictícios. “Se você está falando sobre Sherlock Holmes e Moriarty, você passa mais tempo com Holmes, e se você está falando sobre o Batman e o Coringa, você tende a ter mais simpatia pelo Batman, mas para empoderar a história, o protagonista fica trancado em um drama psicológico com um personagem que é tanto igual a ele como o oposto,” ela diz. “O que eu realmente queria fazer era um filme onde duas mulheres fazem isso.”

Mas espera – isso significa que Elizabeth é a vilã, similar a um psicopata com maquiagem de palhaço que quer ver o mundo pegar fogo? A maquiagem pesada existe, mas Mary Queen of Scots não é sobre uma rainha vencendo a outra, é mais sobre elas lidando com as circunstâncias – conselheiros manipuladores, cortes dominadas por homens – além de seus controles. “Esse filme é sobre o custo do poder, sobre como é constantemente impossível para mulheres, não importa suas escolhas, conseguirem liderar,” Rourke diz. “É um apelo para pensarmos mais enquanto olhamos para uma parte de nossa história.” Só não esqueça de levar muitos lenços.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Margot Robbie e Saoirse Ronan se enfrentam em novo trailer do drama Mary Queen of Scots. Margot interpreta a Rainha Elizabeth I e aparece bem diferente no trailer, confira:

LEGENDADO

Foi divulgado hoje o primeiro pôster de Mary Queen of Scots, onde veremos Margot Robbie interpretar a Rainha Elizabeth I ao lado da Mary de Saoirse Ronan em dezembro. Também foi divulgado pelo ET uma prévia do trailer que estreia amanhã. Confira:

Margot Robbie sentou para uma conversa com o USA Today durante o dia de entrevistas de Terminal e falou um pouco sobre seus próximos projetos. Confira:

“Margot” parece muito formal para Margot Robbie.

Sem ofensas para as sofisticadas Margots francesas do mundo, mas a atriz australiana Robbie, 27 anos, é mais exuberante que seu nome. Horas antes da première de seu novo filme, Terminal, ela está confortável em jeans e t-shirt, e se ilumina quando fala sobre seu amor por hockey, casas mal assombradas e “qualquer atividade de muita adrenalina,” como ela diz.

“Eu tenho um nome tão formal e estranho,” a atriz indicada ao Oscar entrega. “É nome de senhora.”

Talvez ela seja mais uma Annie?

Esse é o nome de sua protagonista misteriosa em Terminal, um filme noir que chega aos cinemas e plataformas digitais na sexta feira. O filme, dirigido por Vaughn Stein, foi o primeiro que Robbie produziu através de sua empresa, a LuckyChap Entertainment. Foi filmado em 2016, quando “não tínhamos ideia do que estávamos fazendo, sinceramente,” ela diz, e antes de Robbie estrelar e produzir seu aclamado I, Tonya.

Muita coisa aconteceu desde então: Somente em 2017, Robbie trabalhou em cinco filmes.

Então, há muito o que discutir quando ela senta para conversar com o USA Today, incluindo o que a fez amar seu nome e por que ela exigiu uma diretora para o próximo filme da Harley Quinn.

Sua personagem em Terminal tem muitos apelidos como “Loira de farmácia” e “Docinho”, que ela claramente não gosta. Você gosta de apelidos?
Na escola, me chamavam de Maggot (Verme em inglês), o que era horrível e muito traumatizante e uma das razões pela qual eu odiava meu nome. Mas agora eu amo o meu nome porque minha mãe fez uma homenagem para uma menina que cresceu com ela. Alguns dos meus melhores amigos me chamam de Maggie, Margs, Mags, Maggles, qualquer abreviação do tipo. E você sabe como são amigos, alguns apelidos são totalmente aleatórios. Uma amiga e eu nos chamamos de Curtis. Como você explica isso?

Você estrelou e produziu I, Tonya, o que permitiu que Tonya Harding voltasse para os olhos do público, agora como participante do Dancing With the Stars. Você previu isso?
Não é o que queríamos fazer, mas é um subproduto adorável, eu acho. Nós queríamos contar uma história do jeito mais autêntico possível, e isso significava mostrar o lado bom e ruim. No caso dela, todos só focavam no ruim. Estou feliz que agora as pessoas estão vendo um lado diferente dela, porque ela é realmente uma senhora muito doce.

Você também filmou Mary Queen of Scots, onde você interpreta Elizabeth I. No verão passado, fotos de você com maquiagem branca e peruca vermelha tiveram muita atenção online. Aquilo no cabelo era uma entrada?
Não foi para chocar ninguém ou tentar ser a mais louca possível. Isso nasceu do fato de que Elizabeth I tinha varíola e isso deixa 60% das pessoas permanentemente desfiguradas. Então nós a vemos com maquiagem pálida e entradas no cabelo. O filme conta sua jornada emocional e como sua aparência ficou no final da nossa história.

A equipe de cabelo e maquiagem se divertiu modificando seu rosto?
É divertido brincar com essa tela em branco. E eu tenho um cabelo muito bom para perucas porque é muito fino. Eu tenho a cabeça pequena, também, então eu posso usar peruca facilmente, o que é ótimo para a atuação. Felizmente, acontece que eu estou na profissão certa.

E você claramente tem um dom para sotaques, o que é bom para um ator. O sotaque de Terminal é bem louco.
Isso não veio naturalmente para mim de jeito nenhum. Fazer vários sotaques é muito trabalhoso. Eu falo com o meu (australiano) entre as cenas. Algumas pessoas ficam com isso o dia inteiro, eu só ajo como minhas personagens durante o “ação” e o “corta”, no meio disso eu sou eu mesma. O que é bom para essa personagem de Terminal, que é meio psicopata. O mesmo com a Harley Quinn, eu não poderia ser ela o dia inteiro – Primeiro, porque seria completamente exaustivo, e segundo porque seria apenas insuportável ficar perto de mim.

Falando sobre Harley Quinn, você está produzindo e estrelando em um spin-off baseado nos quadrinhos de Birds of Prey. Você queria reviver ela após filmar Esquadrão Suicida em 2016?
Eu apresentei a ideia de fazermos um filme para maiores com uma gangue de garotas quando ainda estávamos filmando Esquadrão Suicida. Foi difícil naquela época, porque foi antes de Deadpool, então era uma ideia louca.

Como você encontrou a diretora Cathy Yan?
Ela fez um filme chamado Dead Pigs, que eu amei. Na LuckyChap, nós sempre buscamos ter protagonistas mulheres ou uma história contada de um ponto de vista feminino. Para Birds, eu disse, “O melhor diretor ganha, homem ou mulher.” Mas eu acho que é nossa obrigação falar mais com as mulheres do que com os homens, porque elas historicamente tiveram menos chances.

Você estará trabalhando com um famoso diretor em um futuro próximo. Você será Sharon Tate em Once Upon a Time in Hollywood, de Quentin Tarantino.
Sempre esteve na minha lista de desejos trabalhar em um filme do Tarantino, então obviamente estou muito animada e grata.

Tarantino esteve nas notícias por se desculpar por defender o estuprador Roman Polanski e por maltratar Uma Thurman no set de Kill Bill. Isso teve impacto no seu relacionamento com ele?
Eu falei bastante com ele sobre o seu processo como cineasta, como ele vê esse filme e como será a nossa jornada nele.

Vocês falaram sobre as alegações de Thurman?
Eu acho que você precisa falar sobre isso. Há um ditado que diz “Ignorância é uma bênção,” mas ignorância também é cumplicidade. Então, você precisa prestar atenção. Eu não quero entrar em uma situação sem ter meus olhos bem abertos.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil