Durante uma entrevista para a Evening Stardard Magazine, Margot Robbie falou sobre seu amor pela saga Harry Potter e revelou que o bruxo teve uma grande participação na sua despedida de solteira, confira:

A estrela australiana, que foi indicada ao Oscar no ano passado por I, Tonya, casou o assistente de direção Tom Ackerley em dezembro de 2016.

Sua despedida de solteira aconteceu na casa de uma amiga na Austrália com 45 convidados, incluindo antigos amigos de escola que eram chamados de The Heckers, amigos da sua época em Neighbours e seus colegas de quarto de Clapham – todos da equipe de seu filme Suíte Francesa.

Seu marido, quem ela conheceu no set, também morava na casa compartilhada. Ela contou para a ES Magazine: “Somos 16 no The Heckers, nos chamamos assim desde a escola. O pessoal de Clapham também são muitos, e a combinação foi explosiva. Eles contrataram um stripper temático de Harry Potter para mim; ele sabia todas as frases e insinuações. Eu fiquei muito tocada, foi realmente uma coisa atenciosa. Eles me conhecem tão bem.”

Robbie, de 28 anos, também contou que ela procura ajuda para dormir nos livros de J.K. Rowling e os lê repetidamente desde que tinha oito anos.

“Agora, eu estou no quinto livro. Eu sei o que está vindo quando eu virar a página,” ela disse. “Eu não consigo meditar e isso é o que eu faço para dormir. Vaughn [Stein, diretor de Terminal] me disse que se você tem problemas para dormir, o que eu tenho, você deve ler algo familiar para se acalmar.”

“Se eu leio algo novo antes de dormir, meu cérebro fica a mil por hora. Ler Harry Potter me faz feliz e me acalma. Eu leio por uma ou duas horas toda noite. Meu marido odeia.”

Robbie lutou por seu primeiro papel, em Neighbours, e disse que não teve ajuda já que não é uma carreira óbvia em Gold Coast.

“Ninguém pensou que eu seria atriz, porque onde eu cresci, isso não era um trabalho possível. Eu nunca conheci alguém que tivesse feito uma xícara de café em um set de filmagem.”

Durante seu tempo interpretando Donna Freedman em Neighbours, ela estudou com um professor de voz para aperfeiçoar seu sotaque americano e tentar entrar em Hollywood. Papéis em O Lobo de Wall Street e Esquadrão Suicida vieram depois.

Robbie, que irá interpretar Elizabeth I no filme Mary Queen of Scots, apoia o movimento #MeToo. Ela disse: “É claro que eu sabia que o problema existia. Eu apenas não via como um problema que era permitido ter raiva.”

“Ninguém falava sobre isso, ninguém disse ‘Eu não vou mais aguentar isso.’ Não era chamado de problema, era um fato da vida. Isso é uma mentalidade terrível. Se nós apenas aceitarmos coisas como assédio sexual como um fato de vida, não vai melhorar.”

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Foi divulgado hoje o primeiro pôster de Mary Queen of Scots, onde veremos Margot Robbie interpretar a Rainha Elizabeth I ao lado da Mary de Saoirse Ronan em dezembro. Também foi divulgado pelo ET uma prévia do trailer que estreia amanhã. Confira:

Margot compareceu ao seu primeiro desfile da Chanel como embaixadora na tarde de ontem (03) em Paris! A atriz também passou um tempo no apartamento da própria Coco Chanel estudando mais sobre a marca. Confira as fotos do evento e uma rápida entrevista com a Margot:

“O desfile foi incrível! Esse é o meu primeiro desfile da Chanel então o nível está bem alto, não sei como eles vão superar isso. O cenário me deixou louca e a coleção é linda, muito legal e usável!”

“Eu fui nos arquivos e realmente entendi a marca em um novo nível e aprendi mais sobre a história da Coco Chanel e como isso influenciou seus desenhos.”

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Margot Robbie foi escolhida para ser a capa da edição de 20 anos da revista Harper’s Bazaar Australia! A sessão de fotos ocorreu na casa da atriz na Austrália e sua prima Julia Chalmers e seu marido Nick Chalmers também participaram das fotos. Além dos três, na entrevista também temos a participação da mãe da Margot, Sarie Kessler, da colega de elenco Allison Janney e do diretor de I, Tonya, Craig Gillespie. Confira:

Estacionados na garagem dupla, um antigo carro Mazda e uma caminhonete prata Subaru com duas pranchas de surfe presas no teto não dizem nada fora do normal. Há alguns metros, a porta de uma cozinha está aberta para deixar a brisa circular pela propriedade Bencluna do século 19. Dentro, Sarie Kessler está sentada no banco da ilha guardando as compras enquanto oferece sugestões de café da manhã para o neto de 9 anos, Sebastian. É um pouco depois de 9 da manhã e o som do calor – os gritos das cigarras – já está alto.

Na ampla varanda, está pelo menos cinco graus mais fresco. Uma loira com cara de sono vestida em uma camisola preta surge descalça de um dos quartos. “Oi, eu sou a Margot,” ela diz. Ela é surpreendentemente uma pessoa delicada – pele clara, seu cabelo artisticamente bagunçado está preso em um rabo de cavalo alto com um prendedor rosa choque. Se jogando na cadeira do cabeleireiro que foi montada para a sessão de fotos do dia, ela enruga o nariz e passa a mão pelo cabelo curto. “Eu tive que lavar meu cabelo com detergente na noite passada,” ela diz com uma risada alta.

A atriz australiana de 27 anos, Margot Robbie, ri facilmente e frequentemente, e é claramente desprovida de ego – um traço que você especula que vem de ser a terceira de quatro filhos em uma família unida. Ela é especialmente próxima a sua prima e melhor amiga, Julia Chalmers, de 28 anos, uma antiga modelo que trabalha para a marca de roupa de praia de Bangalow, She Made Me, e que está de férias com ela nessa casa junto com o marido de Chalmers, o artista e designer gráfico, Nick, que, quando disseram que ele estaria em algumas fotos com as duas meninas, sabia onde isso estava indo. “Eu vou ser o cara fora de foco, não é?” Ele pergunta, suspirando conformado. Kessler, a mãe de Robbie, uma fisioterapeuta que ainda vive na casa da família em Gold Coast, perambula constantemente, claramente animada por ter sua filha de Hollywood em casa, bombardeando-a com xícaras de chá e oferecendo a todos bebidas geladas. “Minha família nunca viu isso,” Robbie diz, inspecionando as araras com roupas de alta moda esperando para serem fotografadas. “Eu trabalho o ano todo e tento explicar como é por telefone, mas se você não faz parte da indústria, é difícil entender.”

Amanhã é o primeiro aniversário de casamento de Robbie com Tom Ackerley – um evento particularmente intenso já que Robbie casou com com o assistente de direção de 27 anos em uma propriedade privada em Byron, a locação exata nunca foi revelada pelo casal. Robbie pede sugestões para onde podem passar o dia, e então, bem na hora, Ackerley aparece. Ele dá um beijo de bom dia em sua esposa e educadamente pede licença e entra no carro para passar o dia surfando em The Pass.

Robbie nunca consegue fazer isso: tomar uma xícara de chá, colocar os pés para o alto e beber apreciando a vista de gramados e árvores exuberantes nos limites da propriedade, enquanto arrumam seu cabelo e maquiagem, pronta para ser fotografada com sua amiga mais próxima. Desde que ela deixou a Austrália por Los Angeles em 2011, sua carga de trabalho tem sido imensa, seu currículo cheio de uma mistura de grandes filmes de estúdio e filmes sérios de arte. Em 2013 veio o seu papel revelação em O Lobo de Wall Street como a esposa troféu de Leonardo DiCaprio. Em 2014, ela estrelou no drama da segunda guerra mundial, Suíte Francesa, onde conheceu Ackerley, seguido de Golpe Duplo, interpretando uma ladra ao lado de Will Smith, e um suspense pós apocalipse Os Últimos na Terra. Um ano depois, ela interpretou a supervilã Harley Quinn no blockbuster Esquadrão Suicida, que arrecadou loucos 887 milhões de dólares de bilheteria, Jane Porter em A Lenda de Tarzan, e ela co estrelou com Tina Fey em uma comédia romântica sobre guerra, Uma Repórter em Apuros. No ano passado, ela participou do drama sobre A.A. Milne Adeus, Christopher Robin, fez a voz da personagem Flopsy em Pedro Coelho e interpretou a patinadora americana Tonya Harding em Eu, Tonya.

Eu, Tonya é somente um dos projetos desenvolvidos pela LuckyChap Entertainment, a produtora que Robbie fundou com Ackerley, seu amigo Josey McNamara e a amiga de infância Sophia Kerr. Robbie não só produziu o filme, mas ela também interpretou a personagem principal, conseguindo indicações ao Golden Globe, Screen Actor Guild, BAFTA e Oscar. Isso faz de Robbie material sério para os tablóides, algo que Chalmers ainda tem dificuldades de aceitar. “Eu fico pensando, ‘Deus, não tem nada de especial em você!'” Ela brinca gentilmente enquanto nós vamos até o quintal, rindo do absurdo que é elas estarem prontas para jogar ping-pong enquanto estão vestindo Chanel. “Nah, ela é incrível,” Chalmers admite. “Eu olho para o caos que cerca a Margot e é louco, mas merecido. Ela trabalha duro. Ela é o tipo de pessoa que se acontecesse alguma coisa com qualquer pessoa da família, ela iria largar tudo para vir até aqui.” As duas desviam de uma cobra morta. “Não deixa o Tom ver isso,” Robbie diz. “Ele vai surtar.”

As duas mulheres compartilham um laço intenso, parcialmente graças às suas mães por serem irmãs próximas e ambas mães solteiras. Os Natais e Páscoas eram passados na fazenda do avô em Dalby, no interior de Queensland, com as primas pescando e dançando juntas a noite. “Crescer assim te dá um valor diferente,” Kessler me diz mais tarde. “Essas qualidades agora ficam com a Margot para serem úteis com o que ela tem a encontrar em termos de carreira.” Chalmers é igualmente nostálgica por esse tempo inocente de suas vidas, lembrando de fazerem shows de mágica juntas aos sete anos, brincarem de restaurante e cobrando de seus irmãos e irmãs para comer o que elas prepararam, serem anfitriãs de festas de chá no quintal em Gold Coast. “Eu literalmente não tenho uma memória da minha infância sem a Julia,” Margot diz. “Se a Julia tocava violão, eu ia aprender a tocar violão. Se a Julia usava uma blusa, eu desesperadamente esperava para ela enjoar para que eu pudesse usar. Ela era meu ídolo.”

As duas também se apoiaram em suas carreiras. Antes de ir embora para conquistar Hollywood, a adolescente Margot fez seu nome na televisão australiana interpretando Donna Freedman em Neighbours de 2008 até 2011. “Margot sabia sobre cabelo e maquiagem de trabalhar nos sets, então ela era minha estilista pessoal não oficial quando eu estava tentando construir o meu book de modelo,” Chalmers lembra. “Nós fizemos essa sessão de fotos brega na fazenda. Nick foi o fotógrafo, eu me troquei em um buraco e a Margot fez a minha maquiagem e me disse o que vestir. Felizmente, as fotos nunca viram a luz do dia.” O apoio não mudou desde então. Julia vivia com Margot em Nova York quando ela entrou no jogo de modelo e Robbie estava filmando O Lobo de Wall Street. Elas foram a madrinha de casamento uma da outra. E Robbie é meio que uma embaixadora não oficial da marca de pijamas do Nick, Chalmers Pyjamas, que é usada por editores de moda e influenciadores de estilo (veja Cate Blanchett acordar em um deles em uma campanha recente de David Jones).

A carreira de Robbie certamente já está feita, mas você tem a impressão de que seu círculo de amizades não inclui outros nomes famosos. São as pessoas por trás das cenas que a fascinam, aquelas que compartilham a paixão verdadeira pelo cinema. “Eu não amo só atuar,” ela me diz. “Eu amo estar em um set de filmagem. Mais do que qualquer coisa. Se eu não fosse atriz, eu seria operadora de câmera. Eu amaria fazer maquiagem de efeitos especiais. Ou pirotecnia. Isso é o que me fascina.”

Depois de Lobo, Robbie percebeu que ela estava correndo perigo de ser estereotipada como a esposa ou namorada gostosa a não ser que ela tomasse conta do problema com suas próprias mãos. Ela formou a LuckyChap em 2014 como um jeito de controlar seu destino e ajustar a balança de gênero que ela via na indústria. “Como produtora, eu estou procurando por papéis femininos incríveis,” ela diz. “As pessoas em Hollywood agora estão fazendo um esforço para criar conteúdo e personagens femininas. Mas o próximo passo é ter vozes femininas contando essas histórias, através de diretoras e mulheres roteiristas.” Sua colega de elenco em Eu, Tonya, Allison Janney, me diz por meio de um email, “Margot é uma jovem mulher inteligente que viu os mesmos tipos de papéis chegando e decidiu que não ia se conformar. Ela tomou as rédeas.” Formar um negócio com amigos próximos não a preocupou, “Nós fazemos tudo juntos. Nós sabemos as forças e fraquezas de cada um e decidimos de acordo. Eu fiquei surpresa que todos nos avisaram contra isso, que seria uma ideia terrível. Algumas vezes você não deve ouvir aos do contra.”

LuckyChap tem uma mistura eclética de projetos na agenda. Em adição a Eu, Tonya, o primeiro grupo inclui Terminal, um thriller noir estrelando Robbie que será lançado esse ano. Dreamland, que se passa em 1930 e segue a jornada de um menino para ganhar a recompensa por capturar uma ladra de bancos fugitiva (Robbie); Marian, centrado no que a famosa donzela faz após a morte de Robin Hood; e o confuso Bad Monkeys, baseado no livro de 2008 de Matt Ruff sobre uma mulher que vai para a prisão por assassinato e termina na ala psiquiátrica. Como a LuckyChap é uma empresa nova, naturalmente Robbie é a estrela que os projetos precisam para saírem do estado de produção. Mas ela espera que esse não seja o caso. “Margot ama negociar, algo que a maioria dos atores correm!” Janney me conta. “Ela tem a cabeça para negócios com uma alma de artista.”

Quando Robbie leu o roteiro de Steven Rogers para Eu, Tonya, que foi baseado nas incrivelmente contraditórias entrevistas de Tonya Harding e seu antigo marido Jeff Gillooly, ela pensou que era ficção. Ela tinha três anos em 1994 quando a antiga patinadora artística foi conectada ao ataque que deixou sua rival e colega de equipe Nancy Kerrigan incapaz de competir nos eventos nacionais. “Eu fiquei impressionada com o quanto a personagem era complexa,” Robbie diz. “Tonya era tão complicada e teve muitos altos e baixos em sua vida. Tinha tanta carne no osso! Eu devorei o roteiro. Ela está dizendo uma coisa, mas eu posso dizer que ela não se sente desse jeito – por que ela está escondendo? Como atriz, você normalmente desenvolve uma história para o seu personagem para que você possa dar dimensão, mas estava tudo lá naquela página. Eu mal podia esperar para desenrolar.”

O atletismo formidável que o papel precisava significou que Robbie teria que investir em incontáveis horas na academia e treinamentos no rinque de patinação, mas em um certo ponto ela sabia que não poderia fazer muito para fazer sua estatura pequena se parecer com a forte de Harding. “Nós não tínhamos muito dinheiro ou tempo, então passar por protéticos todos os dias para fazer meu rosto e meu cabelo parecer com o dela não era uma opção,” ela diz, “então nós mudamos nossa mentalidade. Nós precisávamos incorporar seu espírito.” Isso significou trabalhar com um treinador de movimento e utilizar a Técnica de Alexander e o Exercício Animal, focando na postura. “Ombros pesados, mandíbula ressaltada, pés pesados – Tonya era alguém que estava sempre na defensiva, mas também procurando por validação e afeição, e ela se importava com o que as pessoas pensavam. Mesmo que ela fingisse que não.”

O filme permite que Harding e Gillooly contem suas próprias versões sobre o famoso incidente. (Harding sempre negou fazer parte do plano, sendo culpada somente de atrasar a investigação), e possui um traço de documentário falso com conversas diretas com a câmera, um modo que Robbie achou que iria permitir o público a ter uma visão de como era estar presa no ciclo vicioso da violência doméstica. (Infelizmente, Harding troca um abuso, de sua mãe, LaVona, por outro: Gillooly. Ambos negaram as acusações no passado.) “Deixar isso fora da história teria sido uma injustiça com a Tonya,” Robbie insiste. “E nós queríamos que o público continuasse assistindo. Eu tinha visto um documentário chamado Sharp Edges, que foi feito quando ela tinha 15 anos, e ela falava direto para a câmera, completamente inexpressiva, que a mãe dela batia nela e que ela era alcoólatra. Isso mexeu comigo. Era rotina para ela. Dizer aquelas falas sem expressão para a câmera convence o público de que ela estava emocionalmente desconexa do que estava acontecendo com ela fisicamente. Em algum nível, você pensa, ‘Ok, a Tonya está olhando para mim. Eu posso aguentar isso, eu posso continuar assistindo…'”

“Eu não podia imaginar ninguém no papel de Tonya Harding porque ela é uma pessoa complicada e o tom do roteiro era particularmente difícil,” diz o diretor do filme, Craig Gillespie. “A Margot tem essa incrível habilidade de fazer humor e drama, muitas vezes na mesma cena. É uma dança complicada para se fazer como ator. Poucos possuem esse talento e a Margot faz parecer sem esforço. Ela faz isso de um jeito muito inteligente, o humor nunca causa algum dano ao personagem. Vem de um lugar muito real, não importa o quão absurda seja a situação, ela tem essa habilidade de mostrar para o público sua vulnerabilidade e os mantém envolvidos de um jeito emocional. É incrível de assistir.”

De repente mudar da atuação em cenas tão angustiantes para ter que lidar com problemas na produção como financiamento deve ter transformado o local de trabalho em algo estressante, mas Robbie não se incomodava. “Eu só estou no personagem entre o ‘ação’ e o ‘corta’,” ela explica, balançando os ombros. “Eu posso ligar o modo atuação e então voltar a discutir a agenda de amanhã. Isso não parece estranho para mim. Eu planejo meticulosamente e faço listas, listas e mais listas.”

Robbie sempre foi organizada, concordou Kessler, que, como uma boa mãe, se preocupa que isso não a favorece. “Margot sempre foi um pouco manipuladora!” Ela brinca, secretamente orgulhosa. “Uma pequena menina que podia ver através de tudo e entender qualquer situação. Ela era esperta, aquela criança…” Na hora, Margot aparece, escuta o final da conversa e as duas lembram sobre as peças que ela fazia na sala de jantar com sete anos enquanto Kessler tentava cozinhar. “Eu recriava as cenas de ação de O Quinto Elemento, tentando fazer 10 piruetas consecutivas,” Robbie lembra, rindo.

O ponto decisivo para Kessler, o momento que ela reconheceu o talento de Robbie, foi uma performance de drama quando ela tinha 12 anos no Somerset College, em Mudgeeraba. Margot conta a história: “Eu fiquei obcecada com o massacre de Jim Jones [onde mais de 900 pessoas cometerem suicídio coletivo sob influência do Templo do Povo em 1978] e li sobre como as mães envenenavam os bebês,” ela diz, arregalando seus olhos, chocada com a sua própria atenção nerd nos detalhes. “Eu interpretei a mãe de um bebê…”

“Eu estava chorando,” Kessler adiciona. “Eu pensei, ‘Wow, ela é muito boa nisso.'”

Não tem como não perceber que Robbie é um espécime geneticamente perfeito. (Ou, como o cineasta Terence Winter tão eloquentemente a descreveu em O Lobo de Wall Street, a loira mais gostosa do mundo.) Com Eu, Tonya, Robbie prova que ela pode ter a aparência normal, mas no final desse ano ela passará por uma transformação ainda mais dramática, interpretando a Rainha Elizabeth I em Mary, Queen of Scots. “Quando eu olho para o espelho e não me vejo, é muito mais fácil de entrar no personagem,” ela diz. O mesmo acontece com os sotaques, um fato que a preocupa. “Agora, eu não sei se conseguiria interpretar alguém com sotaque australiano,” ela admite. “Eu acho tão difícil tentar ser outra pessoa quando estou ouvindo minha própria voz. Quando eu não consigo me ouvir, não me sinto eu mesma.”

É estranho (mas muito revigorante) notar que ela não olhou seu celular uma vez durante o dia inteiro. Estranho porque ela tem mais de 13 milhões de seguidores no Instagram (“Eu não sei o motivo, considerando que posto muito pouco”). Você sente que ela é cuidadosa com o poder que as redes sociais possuem e ainda está tentando entender. Sua conta é uma mistura de fotos lindas de sessões para revistas, viagens com as amigas e causas amadas por ela, como o Time’s Up, o choro em grupo protestando contra a tolerância ao assédio sexual e falta de igualdade de gênero no local de trabalho. Sobre o último, ela escolhe cuidadosamente suas palavras. “Esse é um problema complicado e todos lidam com ele de sua própria forma. Temos uma resposta incrível, como todos estão apoiando as mulheres que estão denunciando. Mas eu odiaria passar a mensagem de que só tem uma coisa a se fazer – também temos que dar apoio para as mulheres que não estão denunciando. Muitas atrizes estão falando sobre isso fora da internet. Eu estou conversando com mulheres que eu nunca conheci. Esse é o senso de comunidade.” Algumas semanas depois da entrevista, como um ato simbólico de solidariedade com as vítimas de assédio sexual, Robbie usou um vestido Gucci preto de mangas compridas no tapete vermelho do Golden Globes.

Robbie gosta de moda, mas se classifica mais como espectadora do que participante. “Eu gosto de explorar esse mundo durante a temporada de premiações, mas moda não é a minha vida,” ela diz. “Eu não acho que eu tenho um estilo pessoal reconhecível.” A atriz trabalha atualmente com a estilista Kate Young e as duas escolhem um tema quando estão planejando os eventos. Beneficiando seu compromisso de publicidade para Eu, Tonya, seu visual é totalmente sobre os anos 90 e Versace agora. Tanto que ela usou um vestido dourado para a premiere em Los Angeles, uma variação do estilo usado pelas supermodelos originais na homenagem no desfile S/S 2018 da Versace. Então, é claro, os olhos de Robbie brilham quando ela vê o que ela irá usar para a sessão de fotos da capa da Bazaar: um body lilás com cristais da Gucci que parece que está permanentemente com o efeito Kirakira (Para os novatos, estamos falando sobre o aplicativo editor de fotos japonês que adiciona brilho e torna a pessoa da foto em um globo de discoteca humano.) Adicione a trilha sonora de fundo com o hit dos anos 80 de Laura Braningan, Gloria, e Robbie começa a trabalhar em sua mágica como se ela estivesse prestes a fazer um triple axel.

Uma nuvem de poeira surgindo da garagem anuncia que Ackerley está de volta. Ele estaciona e caminha até onde estamos fotografando, levantando a sobrancelha para a cena surreal: sua esposa vestida no que poderia ser classificado como roupa de patinação no gelo no meio de de uma fileira de árvores de macadâmia. Ele está acostumado com coisas assim, Robbie diz. “Seria difícil de explicar esse trabalho para alguém que não trabalha na indústria,” ela reflete. “Atores namoram atores porque eles entendem o trabalho. Namorar um membro da produção é a mesma coisa. As horas são estranhas. Existe o laço que você cria com as pessoas no set. É um cenário bem íntimo.” Ela adiciona que os dois passaram a lua de mel congelando em Atlanta, Georgia, trabalhando em Eu, Tonya ao invés de descansarem em algum destino exótico. “Qualquer pessoa diria, ‘Você está brincando?’ Mas ficamos agradecidos pela oportunidade que estávamos tendo. Temos muita sorte.'”

O sol começa a se pôr no horizonte e tudo o que resta é a luz rosa dourada brilhante que desvia Robbie de seus pensamentos. “Estar aqui em Byron me lembra muito do interior em Currumbin. Eu me sinto em casa. Tudo parece o mesmo e o cheiro é o mesmo. Todas as coisas que você pensa que nunca vai sentir falta até que você vai embora. O som dos pássaros! Tudo é mais rico aqui, de algum jeito.”

Chalmers abre uma garrafa de Dom Perignon e ela, Robbie e Nick entram em uma banheira antiga para a última foto. Sem perceber, a música fica cada vez mais alta e o Cavoodle preto de Chalmers, Suki, pula para dentro, se juntando à bagunça. Kessler preserva a cena em seu iPhone. Essa vai para o álbum da família…

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil