Margot Robbie, Tom Ackerley, Josey McNamara e Sophia Kerr, fundadores da LuckyChap Entertainment, deram uma entrevista juntos para a revista MovieMaker onde falam sobre o passado e o futuro da produtora. Confira:

Os quatro fundadores da LuckyChap Entertainment não poderiam ser mais próximos. Todos são antigos colegas de quarto, e as duas mulheres, Margot Robbie e Sophia Kerr, cresceram juntas na Gold Coast da Austrália. Os homens, Josey McNamara e Tom Ackerley, ambos britânicos, trabalharam juntos por anos como assistentes de diretores. Robbie e Ackerley são casados.

Todos os quatro estão unidos em uma missão de fazer filmes focados em mulheres, uns que provocam e nos fazem rir mesmo quando recalibram as expectativas antigas sobre gênero.

Mas você pode se perguntar: O quão unidos eles podem ser? O que eles fazem, por exemplo, quando a indicada ao Oscar no grupo – a que está nos anúncios de O Escândalo e Era Uma Vez… em Hollywood e Aves de Rapina – quer fazer um projeto e os outros não gostam tanto quanto ela?

A solução é simples, Robbie explica: ”Nós não pegamos o projeto.”

Se um deles acredita em uma ideia de filme ou série e outros não, todos fazem seus melhores argumentos a favor e contra – até que todos estejam dentro ou fora.

”Nós amamos isso o bastante para passar os próximos anos da nossa vida nisso? Porque se não for um sim, então deveria ser um não,” diz Robbie.

”Se não é um sim pra caralho, então é um não,” adiciona Kerr. ”Essa é a regra geral,” diz Robbie.

”Margot me disse isso no início,” Kerr continua. ”Eu sei que não é o jeito mais educado de colocar.”

”Não, minha mãe não iria gostar dessa frase,” Robbie concorda. ”Mas esse é o lema da empresa: ‘Se não é um sim pra caralho, então é um não.’”

Algumas vezes, quando eles falam sobre o passado recente, é difícil entender quais grandes momentos aconteceram no apartamento de Londres que eles costumavam compartilhar, e quais aconteceram na mesa da cozinha do escritório da LuckyChap. Os quatro sentaram nessa mesa em uma noite de domingo recente para falar com a MovieMaker sobre a história da empresa e seus planos enormes para 2020.

A PLACA ROSA NEON

O escritório da LuckyChap é pintado à noite com a luz rosa de uma placa neon, presa em uma parede, que anuncia o nome da empresa. Ninguém lembra exatamente como eles escolheram LuckyChap – tinha algo a ver com Charlie Chaplin, o ícone do cinema com os pés batendo que começou sua própria produtora, United Artists, com seus amigos. Enquanto os fundadores da LuckyChap tentam explicar a origem do nome, eles completam os pensamentos um do outro.

”Não existe uma explicação para isso,” diz McNamara. ”Foi bebendo…”

”Bebendo,” Robbie diz, quase ao mesmo tempo que McNamara. ”Ninguém lembra como chegamos em LuckyChap. Nós lembramos de chegar no nome, mas não lembramos como…”

”O logo seria…” Ackerley entra na conversa. E então ele, Robbie e Kerr dizem ao mesmo tempo: ”Os pés batendo!”

O sotaque australiano de Kerr e Robbie se mistura completamente que é difícil dizer qual das duas adiciona: ”Eu lembro de todos nós tentando bater nossos pés.”

”O chap é de Charlie Chap-lin,” adiciona Ackerley, que então fica sério por um momento: ”E então, você sabe. Nós somos todos sortudos e abençoados por fazer o que estamos fazendo. E então o logo seria os pés batendo, mas era muito difícil.”

Se a fonte do nome é um mistério, a fonte da placa não é. Chap soava muito masculino (em inglês, chap significa cara/mano), o que não fazia sentido necessariamente para uma empresa dedicada aos filmes com mulheres em foco. Uma briga cômica surgiu sobre como tornar o logo mais feminino, Kerr e Robbie ganharam.

”Nós ficamos tipo, o logo vai ser rosa,” Robbie diz. ”E nós queríamos fazê-lo em neon, porque nosso primeiro filme, Terminal, tinha muitos elementos em neon, então era meio que uma homenagem para ele. E então nós fizemos a placa, e nós demos um passo para trás e ficamos tipo, ‘Meu Deus. Parece um clube de strip. É uma placa rosa neon chamada LuckyChap [tradução literal: Cara Sortudo]. Nós parecemos um clube de strip.”

”Ou que produzimos filmes pornô,” adiciona Kerr.

Ninguém cometeria esse erro. Apesar de Terminal ter sido o primeiro filme que eles produziram, Eu, Tonya chegou nos cinemas primeiros. Foi indicado para três Oscars, incluindo um para Robbie na categoria de Melhor Atriz. A LuckyChap foi fundada em 2014, mas o relacionamento de Robbie e Kerr vai muito mais longe, para a infância na Austrália. ”Ela era tipo uma Britney Spears jovem e eu era um pouco emo,” diz Robbie. ”Margot cortava o cabelo com gilete e ouvia Thrice,” diz Kerr. ”Nós basicamente podíamos chegar em um lugar comum com Jack Johnson durante aqueles dias.”

”Essa era a música que escutávamos juntas,” diz Robbie. ”Todo o resto, eu ficava: ‘Eu não consigo ouvir suas músicas.’ E ela ficava, ‘Eu não consigo ouvir as suas.’”

Kerr adiciona: ”Eu acho que quando você cresce em Gold Coast na Austrália, você sempre quer trabalhar em sets de filmagem e em filmes mas parece uma tarefa impossível, porque você literalmente não sabe de ninguém que faça isso. Está mudando agora.”

Quando eram adolescentes, Robbie faxinava casas e trabalhava no Subway e em uma loja de surf antes de conseguir um papel na novela australiana Neighbours. Isso a levou para o drama da ABC, Pan Am, e seu papel de estreia em O Lobo de Wall Street de Martin Scorsese. Durante sua audição, ela deu um tapa em Leonardo DiCaprio durante uma cena quando o roteiro pedia para que ela o beijasse. (”Eu fiquei perdida no momento e parecia algo que minha personagem diria,” ela diz. ”Graças a Deus acabou tudo bem… Eu poderia ser presa por agressão.” Robbie e DiCaprio interpretaram vizinhos em Era Uma Vez… em Hollywood.)

COLEGAS DE QUARTO

Em 2013, Robbie conheceu Ackerley e McNamara quando ela apareceu no filme de romance da 2º Guerra Mundial, Suíte Francesa. Eles eram assistentes de diretor no filme.

”Quando nos conhecemos no set e nos tornamos amigos, nós falávamos sobre desenvolver coisas. Eu perguntava qual era o objetivo deles e eles disseram que era produzir. E eu disse que eu queria fazer minhas próprias coisas algum dia, também,” ela lembra. ”Então dizemos, ‘Vamos fazer isso.’”

Robbie, Ackerley, McNamara e Kerr se divertiram tanto saindo juntos que decidiram virar colegas de quarto. Um dia, McNamara entrou no quarto de Robbie com um livro chamado Bad Monkeys, um romance de Matt Ruff sobre uma mulher que é presa por assassinato e conta para a polícia que ela faz parte de um grupo secreto que luta contra o mal. Foi um dos primeiros livros que eles escolheram, e continua em desenvolvimento. (Outros livros em desenvolvimento na empresa incluem o romance de Ottessa Moshfegh, My Year of Rest and Relaxation).

Em um outro dia, Robbie encontrou um roteiro na cozinha feito por seu amigo, Vaughn Stein. Ela amou. ”E então, eventualmente falamos ‘Vamos fazer esse. Vamos ver se conseguimos fazer.’ E conseguimos. Aquele foi nosso primeiro filme,” disse Robbie.

O filme foi o neo-noir Terminal, cujo Stein dirigiu. Quando Robbie estrelou em Tarzan, ela e Kerr conseguiram a ajuda do produtor britânico David Barron, mais conhecido pelos filmes do Harry Potter, para se juntar a eles como produtor de Terminal. ”Nós achamos que ele seria um ótimo mentor para nós. Nós todos reconhecemos que temos muito o que aprender,” diz Robbie.

Enquanto eles filmavam o estiloso suspense de baixo orçamento, eles brincaram com Barron que ele deveria sentir falta de orçamentos do tamanho de Harry Potter. Ele disse que esse não era exatamente o caso, e deu a eles um conselho que ainda os deixa pensando. ”Não importa o quão grande é o filme. Você nunca vai ter dinheiro o bastante ou tempo o bastante,” Robbie lembra da frase. ”Isso é o cinema. É tentar se encaixar nos parâmetros. E esses parâmetros são onde a criatividade realmente nasce.”

Isso se provou realidade enquanto eles trabalharam no seu próximo filme, Eu, Tonya, uma biografia da patinadora Tonya Harding com Robbie no papel principal. Alguns fãs de patinação ainda rejeitavam Harding por um ataque em sua rival, Nancy Kerrigan, em 1994 orquestrado pelos homens em seu círculo. Mas Eu, Tonya simpaticamente reformulou Harding como forte, mal entendida e uma sobrevivente pragmática de violência doméstica que, apesar de uma vida muito difícil, patina como o demônio. Nunca houve tempo ou dinheiro o bastante, mas isso levou a alguns avanços.

”O estilo de filmar no gelo é porque não podíamos pagar uma lança,” disse Robbie, se referindo aos dispositivo usado para mover a câmera em arcos complicados. ”E então nosso operador de câmera disse, ‘Na verdade, eu sei patinar no gelo.’ Okay. Vamos tentar isso. Ele colocou os patins, nós vimos, e ficamos ‘Wow! A experiência é muito mais visceral quando a câmera está com você.’ Os movimentos não parecem elegantes e como de ballet quando você está de perto: Eles parecem fortes e ferozes. E é assim que a Tonya patinava. Então era muito certo para o filme, e nasceu do fato de que não podíamos pagar um guindaste ou uma lança todos os dias.”

PIONEIROS

No meio de seu sucesso inicial, Robbie e Ackerley se casaram, todo mundo se mudou para Los Angeles, e a LuckyChap comissionaram sua placa rosa neon. A decoração do escritório também inclui uma carroça coberta, o tipo de pioneiros que uma vez conquistaram o Oeste.

É incrível, quando você para pra pensar, o quanto da sua vida depende de relacionamentos com quase-estranhos. Décadas atrás, família e amigos próximos viajavam para novas terras, de carroça ou barco ou a cavalo ou a pé. Eles começaram pequenas empresas juntos.

Alguns negócios se tornaram tão grandes que ficaram estocadas com pessoas que quase não conhecia um ao outro. Empregados entravam e saiam sem senso de amizade ou lealdade, apesar das reivindicações vazias das empresas de ‘Somos todos família.’ Algumas amizades entre colegas eram estratégicas, na melhor das hipóteses. Algumas se tornam rivais. E alguns esqueceram sua humanidade de modo tão completo que eles esqueceram respeito, limites e decência básica.

Incluindo Hollywood.

Em 2017, por volta da época em que Eu, Tonya chegou nos cinemas, uma série de novas histórias deixaram claro que a indústria do entretenimento tinha problemas horríveis e excessivos com discriminação e abuso sexual. Robbie se tornou uma apoiadora proeminente do movimento Time’s Up, que pede pelo fim do assédio sexual e um compromisso com a igualdade de gêneros.

A LuckyChap não era mais somente uma das muitas empresas de produção de Hollywood procurando oportunidades melhores para mulheres: Agora era parte de um movimento.

Robbie também participou do elenco de O Escândalo, ao lado de Charlize Theron e Nicole Kidman, para contar a história do assédio sexual de Roger Ailes na Fox News. Na cena mais devastadora do filme, Ailes, interpretado por Johnn Lithgow, usa a promessa de uma carreira na televisão para coagir a personagem de Robbie, uma jovem funcionária da Fox News chamada Kayla, em uma terrível situação. O filme dramatiza a história do assédio na Fox News, e ecoa o sentimento de crime por direito que há tempo prevalece em Hollywood.

O filme mais recente de Robbie, Aves de Rapina, é um filme divertido dos quadrinhos da DC Comics. Mas o título completo, Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa, revela motivos mais profundos: Libertar a personagem feminina que uma vez foi escravizada por um vilão, o Coringa.

”Era sobre libertá-la, sobre ela ser sua própria pessoa,” diz a roteirista de Aves de Rapina, Christina Hodson. ”Ela é uma personagem que nasceu de outros personagens. Ela sempre foi ‘a namorada do Coringa’, e para mim, ela é uma personagem tão rica, profunda e fascinante.”

A LuckyChap está se juntando com a Warner Bros. em Aves de Rapina, seu filme de maior orçamento até agora. O filme é o primeiro de três inspirados em quadrinhos com mulheres no centro planejados para 2020, os outros sendo Viúva Negra e Mulher Maravilha 1984. Todos os três possuem diretoras mulheres. Se nada mais, Hollywood fez progresso em igualdade de gênero esse ano quando se trata de filmes de quadrinhos, um gênero que comanda as bilheterias.

Mas Aves de Rapina é só a primeira colaboração entre a LuckyChap e Hodson.

”Quando Time’s Up estava no começo, antes de lançarem, eu comecei a olhar para algumas estatísticas,” diz Hodson. ”Os números eram chocantemente ruins.

Por exemplo: uma notícia do Writers Guild of America naquela época descobriu que homens eram maiores em número do que as mulheres cerca de três a um quando se tratava de roteiristas.

”Eu sabia de primeira que eu queria fazer algo para resolver isso,” Hodson disse. ”E eu fiz um plano. Mas eu também sabia que não queria fazer isso sozinha.”

A equipe da LuckyChap apareceu para ela como ”os parceiros absolutamente perfeitos.”

”Então eu os levei para um pub, e apresentei para eles, e em 30 segundos eles disseram, ‘Sim, vamos fazer isso.’”

O resultado foi um programa para roteiristas mulheres entre a LuckyChap e a empresa de Hodson, Hodson Exports, chamado de Lucky Exports Pitch Program. Ele selecionou seis roteiristas para passar quatro semanas trabalhando em roteiros de filmes de ação. (”Nenhum deles são completamente filmes de ação,” Hodson explica.)

”O que tem sido mais gratificante é como as mulheres trabalham bem juntas e como elas apoiam umas as outras, esse espírito de generosidade entre elas,” ela disse. As roteiristas deveriam comparecer três dias por semana, mas elas geralmente colaboravam nos outros dias, também.

O objetivo da LuckyChap não é ter sucesso sozinha, mas também elevar outras mulheres cineastas e inspirá-las a contar suas próprias histórias.

”Há tantas atrizes que eu acho que estão interessadas em produzir ou desenvolver seu próprio material, mas não possuem uma empresa ou as pessoas certas ao redor delas para começar uma empresa.. E desse jeito, acho que elas podem colocar os dedos nas águas conosco,” Robbie diz. Kerr, cujo foco é encontrar livros, podcasts e artigos para adaptar em filmes, foi para a London Book Fair nesse ano à procura de possíveis adaptações. Ela deixou claro para as pessoas que ela não estava apenas procurando veículos para Margot Robbie.

”Eles começavam a me apresentar uma história e diziam, ‘Isso é sobre uma jovem garota de Bangladesh,’ e então falavam, ‘Oh espera, desculpa, isso é para a Margot.’ E eu ficava, ‘Não, não! Apresente os livros sobre as jovens meninas de Bangladesh!’”

PROMISSORA

A empresa já produziu uma série de TV que não conta com Robbie no elenco: a série da Hulu, Dollface, estrelando Kat Dennings. E o filme do Sundance desse ano, Promising Young Woman é o primeiro filme da LuckyChap com uma mulher que não é Robbie no papel principal.

O filme, que vai estrear em abril, parece seguir os filmes passados da empresa: O visual lembra Terminal e o tom sugere as ironias de Eu, Tonya.

O trailer abre com uma jovem mulher, interpretada por Carey Mulligan, parecendo pouco consciente em um bar iluminado por luzes neon. ”Você sabe, garotas assim se colocam em perigo,” diz um jovem solteiro. Outro a leva para casa, a coloca na cama e pula em cima dela. ”O que você está fazendo?” Ela diz, distraidamente, enquanto ele desliza por seu corpo, tentando assegurá-la de que tudo está bem.

Não está. Ela de repente volta para a vida.

”Ei,” ela diz, ganhando a atenção dele. ”Eu disse: O que você está fazendo?” Entra uma versão lenta de Toxic, de Britney Spears, tocada no violino. Então, nós aprendemos seu objetivo: ”Toda semana, eu vou para um clube, ajo como se estivesse muito bêbada para conseguir ficar em pé. E toda semana um cara legal chega perto para ver se estou bem.”

Questões sobre consentimento, responsabilidade, e se esses caras legais que oferecem leva-la para casa são legais mesmo seguem.

”Para nós, é uma mensagem interessante para colocar no mundo nessa época, em termos de discussões que estão acontecendo no momento,” McNamara diz. ”Como todos podem ser responsabilizados pelo sistema em que vivemos?”

”É um filme, não muito diferente de O Escândalo, que realmente faz você pensar novamente em alguns cenários e situações,” adiciona Ackerley. ”O mundo realmente esteve se reeducando muito durante os últimos cinco anos, e eu acho que esse é outro passo nessa direção enquanto se recalibra e as normas e a sociedade estão sendo mudadas.”

O filme é escrito e dirigido por Emerald Fennell, cujo créditos incluem a segunda temporada do suspense de espião feminista, Killing Eve.

A equipe da LuckyChap encontrou Fennell enquanto buscavam outro projeto de TV com ela. Durante esse processo, ela apresentou a abertura de Promising Young Woman para eles. Eles a encorajaram a terminar o roteiro, e então concordaram em produzir o filme, o primeiro dela.

”Se pudermos ser uma empresa que administra talentos novos e emergentes, e possamos apresenta-los e fornecer essa plataforma para fazerem filmes maiores e de estúdio, isso é idealmente o que queremos fazer,” diz Ackerley.

Dada a ênfase da LuckyChap em apoiar outras atrizes, parece certo que o primeiro Oscar para um dos primeiros filmes da empresa não foi para Robbie, e sim para outra mulher: Allison Janney ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por seu papel em Eu, Tonya como a mãe de Harding.

”É inacreditável o quanto eles progrediram rápido como empresa e também o quão bons eles se tornaram em fazer o trabalho deles muito bem,” diz Bryan Unkeless, um produtor mais conhecido por Jogos Vorazes e que trabalhou com a LuckyChap em Eu, Tonya, Dollface e Aves de Rapina.

”Quando comecei a trabalhar com eles em Eu, Tonya, eles estavam formados, mas não tinham chegado em Los Angeles e ainda estavam aprendendo o jogo, lendo muitos roteiros e ainda juntando os pedaços da empresa. E nessa época, que foi um período curto, eles se mudaram para Los Angeles, conseguiram um acordo com a Warner Bros., e organizaram um escritório de um jeito enorme com vários funcionários,” Unkeless continua.

”Todos na cidade os respeitam e os amam e estão levando muito material para eles porque eles fazem o trabalho de um jeito realmente honesto, inteligente e de um jeito atencioso. Tem sido bem divertido de assistir, porque eles fizeram tanta coisa em um curto período, mas eu também sei que os melhores dias estão no futuro deles. Acho que é a empresa mais emocionante atualmente.”

A parceria da LuckyChap não segue os padrões que você deve esperar. Os gostos de Robbie são mais parecidos com os de McNamara, em vez dos de sua amiga de infância ou seu marido. Kerr é a pesquisadora, sempre procurando por uma nova propriedade intelectual. Ackerley é o sonhador, pensando na próxima grande ideia. Os outros brincam que McNamara é o pessimista. Quando eles falam sobre isso, eles completam as frases um do outro novamente.

”Eu digo que sou realista,” diz McNamara. ”Tom é muito sonhador de um jeito muito grande, e eu sou tipo, volte para o chão.”

Ackerley ri. ”E então encontramos um meio termo,” diz Robbie. Kerr adiciona: ”Nós não estaríamos em metade dos lugares que estamos hoje se não fosse pelo sonhador no Tom que fica, ‘Vamos fazer isso! Vamos fazer isso!’ E Margot e eu pulamos na ideia rapidamente tipo siiiim! E o Josey fica, okay, vamos ver…”

”Como nós realmente fazemos isso?” Diz Ackerley, completando o pensamento de Kerr, enquanto simultaneamente defende a visão McNamara, a favor do seu amigo.

O que a placa rosa neon pode lembrar a você mais do que tudo, quando você olha para ela, é o icônico logo de Barbie, da Mattel. Esse é outro grande filme na lista da LuckyChap: Robbie é esperada a interpretar a Barbie em um conto moderno sobre a boneca, escrito pelos cineastas e parceiros da vida real Greta Gerwig e Noah Baumbach.

Nós já ouvimos sobre os perigos de trabalhar com pessoas que você gosta ou ama, mas não ouvimos muito sobre as recompensas.

”Você verdadeiramente se importa com a opinião deles sobre alguma coisa,” Kerr diz. ”Você pode trazer algo e se sentir apaixonado por isso, e eu verdadeiramente quero ouvir o que a Margot tem para falar, ou como Josey se sente sobre isso.”

Ela adiciona: ”Somos os caras mais sortudos da cidade.”

”Nosso advogado nos diz sobre a raridade que é trabalhar com amigos,” diz McNamara.

”É legal estar nos negócios com pessoas onde eu já sei que vamos viver juntos de qualquer jeito,” diz Robbie.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Foi anunciado na tarde de hoje que Margot Robbie junto com sua empresa LuckyChap irão produzir uma série de terror baseada nos livros Ameri-Scares. Confira mais:

Margot Robbie e sua LuckyChap Entertainment estão se juntando com a Assemble Media e Warner Horizon para desenvolver a série de livros de Elizabeth Massie, Ameri-Scares, em uma antologia de terror para famílias com um espírito de viagem de carro: Cada episódio se passa em um estado diferente e foca em uma famosa lenda local ou eventos históricos assustadores.

Ameri-Scares está sendo desenvolvida como uma série para a televisão tradicional ou para um serviço de streaming. Robbie, Brett Hedblom & Josey McNamara irão produzir para a LuckyChap Entertainment, que produziu Eu, Tonya e o recente Aves de Rapina. Jack Heller & Brendan Deneen irá produzir para a Assemble Media.

“Com o Ameri-Scares nós vemos a oportunidade perfeita de mergulhar no espaço do terror, e contar o tipo de história única e assustadora que costumávamos contar um para o outro em acampamentos ou festas do pijama quando éramos crianças,” Robbie e sua companhia disseram em uma declaração. “Estamos animados para nos juntar a nossos parceiros na Assemble e Warner Horizon e trazer a série de mistérios e folclore de todo o país de Elizabeth Massie para vida.”

Massie, cujo corpo de trabalho inclui romances, ficção, poesia e não-ficção, é ganhadora duas vezes do Bram Stoker Award e Scribe Award. Crossroad Press of North Carolina publica Ameri-Scares, que é destinada para leitores do ensino fundamental (de 8 a 13 anos). Até hoje, existem 8 livros da série: Califórnia, Nova York, Virginia, Tennessee, Carolina do Norte e Maryland, todas escritas por Massie, além das edições Michigan e West Virginia escritas por Steven Mark Rainey.

“Como fãs de ficção de terror que agrada tanto adolescentes quanto adultos, soubemos assim que lemos Ameri-Scares que Elizabeth criou algo muito especial e atual,” disse Deneen, presidente do desenvolvimento literal da Assemble. “Estamos animados de trabalhar com a LuckyChap e Warner Horizon nessa nova série assustadora.”

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Margot Robbie compareceu no desfile da Chanel, em Paris, na manhã de hoje. A atriz comemorou seu aniversário assistindo ao desfile com sua prima Julia, sua amiga de longa data e atriz Phoebe Tonkin e a editora chefe da VOGUE, Anna Wintour. Após o desfile, ela conversou com o WWD sobre o que achou da coleção e falou um pouco sobre o segundo semestre ocupado que ela irá ter. Confira:

Um time glamuroso de mulheres apareceram para aplaudiu a coleção de estreia de alta costura de Virginie Viard na Chanel na terça feira em uma biblioteca de mentira no Grand Palais em Paris. A atriz australiana Margot Robbie era uma delas.

”Eu tenho muita divulgação vindo por aí e sinto que vou querer usar cada item que vi hoje,” disse a atriz de Era Uma Vez em Hollywood, que foi anunciada como rosto de um novo perfume da Chanel como seu papel de nova embaixadora de fragrâncias da casa. ”A coleção pareceu fácil e sem esforço. Quando você está fazendo divulgação, seus dias são muitos longos e você não quer parecer apertada de algum jeito. Eu gosto de estar confortável.”

Os próximos seis meses serão ocupados para Robbie, a qual a produtora LuckyChap está produzindo Aves de Rapina, um filme centrado na personagem dos quadrinhos da DC Comics, Harley Quinn – interpretada por Robbie, que está reprisando seu papel de Esquadrão Suicida – com estreia marcada para 2020.

”Estamos no meio da edição desse, e também de um filme independente dirigido por uma mulher e estrelando Carey Mulligan,” ela disse. ”Nós também terminamos uma série chamada Dollface criada por uma mulher e estrelando Kat Dennings. Tem um girl power sério no nosso escritório, com certeza.”

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Margot Robbie consegue mais um projeto como produtora! A LuckyChap Entertainment irá produzir a adaptação do thriller Barbed Wire Heart para a Warner Bros. Confira mais:

LuckyChap e Rideback, as produtoras dirigidas por Margot Robbie e Dan Lin, respectivamente, se juntaram para adaptar Barbed Wire Heart, um romance realista de Tess Sharpe, para a Warner Bros.

O estúdio contratou Carly Wray, que escreveu episódios de Westworld e era da equipe de roteiristas de Mad Men, para escrever o roteiro.

Robbie está produzindo via LuckyChap Entertainment ao lado de Tom Ackerley. Lin e Jonathan Eirich estão produzindo via Rideback. Robbie não é esperada como estrela do filme.

O livro, publicado em março, foca em Harley McKenna, a filha de um assassino durão e traficante de drogas, que foi treinada para o negócio da família desde que tinha 16 anos. Quando uma família rival, que foi responsável pela morte de sua mãe, faz uma entrada sangrenta em sua comunidade rural, McKenna precisa encontrar um jeito de enfrentar seu pai violento e os assassinos de sua mãe sem prejudicar as vidas das sobreviventes de abuso no abrigo de mulheres que ela trabalha.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil