Estamos chegando perto do grande dia do Golden Globes e o The Hollywood Reporter lançou sua edição especial do evento com Margot Robbie e Tonya Harding na capa da revista. As duas participam de uma entrevista onde Tonya fala sobre sua vida atual e o filme. Confira:

Margot Robbie esperou até o começo das filmagens para que ela e o diretor Craig Gillespie fossem até Portland para almoçar com a mulher que ela estava prestes a interpretar. Seu segundo encontro aconteceu quase um ano depois, quando Tonya Harding se juntou a Robbie no tapete vermelho da premiere de I, Tonya em Hollywood. No dia seguinte, 6 de dezembro, Robbie sentou com Harding, 47, para uma conversa sobre a vida atual da patinadora com seu atual marido, Joe, um especialista em aquecedor e ar condicionado, e seu filho de 6 anos, Gordon, assim como os altos e baixos dos seus dias no gelo.

Enquanto Robbie trocava de papel entre entrevistadora e entrevistada, Harding falou abertamente sobre seu relacionamento tenso com seu ex Jeff Gillooly, que passou seis meses na prisão após a agressão em Nancy Kerrigan em 1994, e sua mãe, com quem ela não mantém contato desde o começo de 2000. Em um momento da conversa de uma hora, a qual a antiga competidora revelou que ela está de volta aos treinamentos (ela irá patinar em uma exibição no Rockefeller Center no fim de janeiro), Harding agradeceu Robbie com lágrimas nos olhos não somente por contar sua história, mas por também dar uma conclusão.

MARGOT ROBBIE: Quando Steven Rogers, roteirista de I, Tonya, falou com você sobre o projeto, você ficou chocada? Hesitante?
TONYA HARDING:
Eu fiquei grata que ele veio até nós primeiramente, mas eu não ia fazer. Eu fiquei tipo, “Eu não quero passar por isso de novo. Eu já passei pelo suficiente, e eu tenho meu filho agora.” Michael Rosenberg, meu agente, me convenceu a fazer isso como uma possível conclusão. Eu fiquei tão nervosa para assistir, mas quando eu vi, eu não estava assistindo um filme sobre mim. Eu estava assistindo a Margot, e então eu fiquei, “Oh meu Deus. Isso é sobre mim.”

Vocês duas se conheceram em um almoço antes das filmagens. Quais foram suas primeiras impressões?
ROBBIE: Eu não sei se você lembra, mas eu estava falando sobre como a parte da patinação era muito difícil, e você disse, “Você está com seus patins? Nós podemos ir até esse rinque, eu posso treinar você.” E também, você perguntou como era lidar com a fama em uma idade tão jovem, o que eu achei muito gentil. Eu fiquei tipo, “Eu não acredito que ela está preocupada comigo.”
HARDING: Quando eu a vi, eu fiquei tipo, “Oh meu Deus, ela é tão bonita. Obrigada, Deus!” (Risos) E eu não esperava que você fosse tão gentil e acessível comigo porque eu aguentei muito desrespeito durante minha vida. Eu não desejo nem que meu pior inimigo passe por qualquer coisa que eu passei.

Margot, o que você estava esperando conseguir nesse encontro?
ROBBIE
: A principal coisa sobre encontrá-la era para que eu pudesse dizer, “Eu estou interpretando uma personagem, não é você. A personagem e a Tonya da vida real, na minha mente, são totalmente diferentes,” e eu queria que ela soubesse disso para que eu pudesse ter mais liberdade no set para realmente abordar essa personagem.

Você tem uma fala favorita no filme?
HARDING
: É claro. Aquela que eu não posso repetir.
ROBBIE: É quando estou gritando com os jurados?
HARDING: Sim.
ROBBIE: Eu não ligo de repetir. Eu digo, “Chupa o meu p*u,” para os jurados, e é uma das poucas coisas que você não disse na vida real.
HARDING: Eu queria ter dito isso.

Como foi ver pessoas da sua vida serem interpretadas por Allison Janney ou Sebastian Stan?
HARDING: A primeira vez que eu vi Sebastian gritar no filme, isso me levou completamente de volta para as vezes que isso aconteceu, e aconteceu muitas vezes. Mas Allison Janney, uau, ela não poderia ter feito melhor a minha mãe. E foi hilário. A única coisa que a minha mãe não fazia era fumar no gelo.
ROBBIE: Sim, era a fala favorita do Steven no roteiro. Diane [treinadora de Harding] dizendo, “Você não pode fumar no gelo,” e a mãe dela dizendo, “Bom, vou fumar silenciosamente.”
ROBBIE: Uma das coisas que eu acho que nenhum de nós percebeu foi o quão difícil é fazer o triple axel.
HARDING: Eu fui a primeira americana a conseguir. Vocês não tem isso no filme, mas um jurado no campeonato de 1991 me deu 6.0. Todas as notas tinham sido 5.9, mas eu consegui um 6.0 e foi como eu ganhei. Eles colocaram todos os jurados em uma sala, e esse jurado teve que explicar por que ele me deu o primeiro lugar ao invés de Kristi Yamaguchi, que caiu e perdeu outro salto, então isso mostrou a preferência. E eu tinha feito tudo do jeito deles. Eu usei o vestido bonito, coloquei a música para eles, e então eu me divertir no final.
ROBBIE: Eu ficava pensando, é uma pena que todas suas conquistas atléticas tenham sido ofuscadas pelo o que aconteceu em 1994.
HARDING: Bom, tudo mudou em 1991. [A partir de 1992, Harding nunca mais conseguiu fazer um triple axel em competição.] Eu descobri isso depois, mas quando eu me separei do Jeff, eu tinha todas as minhas coisas e minha casa e no fim de outubro, meu apartamento tinha sido invadido.
ROBBIE: Você foi roubada?
HARDING: Tudo dentro do meu apartamento tinha sido destruído, havia buracos de faca nos meus sofás e na minha cama d’água. E a cama era em cima, então estava tudo inundado.
ROBBIE: Você suspeita do Jeff?
HARDING: Oh, foi o Jeff.
ROBBIE: Isso mostra o quão tumultuoso era esse relacionamento. Eu achei emocionalmente traumático me colocar no lugar de alguém que está em um relacionamento abusivo.
HARDING: É uma coisa que acontece todos os dias.
ROBBIE: E você quase se acostuma.
HARDING: Me disseram que eu era gorda, feia e que nunca chegaria em lugar nenhum.

Tonya, o que você queria fazer se patinar não fosse uma opção?
HARDING: Eu queria cavalgar ou guarda-parque.
ROBBIE: E agora? Você tem um trabalho?
HARDING: Estou olhando pra ele. Você é meu trabalho. E eu sou mãe. [Por meio de um porta-voz de Harding, ela recebeu uma taxa mais uma porcentagem dos lucros do filme por seu direito de vida. Ela também faz paisagismo e constroi decks.]

Você ainda patina?
HARDING
: Toda semana. Temos um rinque há 50 minutos da minha casa. Me faz me sentir viva. Se eu não estivesse com dor na maior parte do tempo em que estou patinando, eu passaria mais tempo lá. Mas eu vou voltar a fazer meus saltos triplos. Eu sei que quando eu conseguir fazer, eu vou ficar, “Oh sim, é esse o sentimento.”
ROBBIE: Como é um dia normal agora?
HARDING: Eu acordo às 7 da manhã e acordo meu filho às 7:30. Ele gosta de achocolatado, e ele ama panquecas, mas eu não sei fazer panquecas.
ROBBIE: Sem julgamentos, eu sou péssima na cozinha. E então você leva ele para a escola?
HARDING: Sim, ou se é um dos dias que eu vou para o rinque, então o Joe o leva para a escola. No verão, eu estou sempre trabalhando no jardim. Eu amo paisagismo, trabalhar nos carros, cortar madeira. Eu gosto de construir coisas, também, e eu ainda estou tirando umas coisas que ficaram em caixas por anos. Eu tirei meus troféus e medalhas, e as pendurei, mas metade foi roubada ou quebrada. Então meu filho sai da escola, e um de nós vai buscá-lo e assistimos desenhos ou jogamos Minecraft ou DinoCraft, e então é jantar e cama.
ROBBIE: Você ainda acompanha o esporte? Você vai assistir as Olimpíadas em fevereiro?
HARDING: De vez em quando. Eu tenho que saber quem vai competir e se vale a pena assistir ou se vai ser a mesma velha política.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

A iniciativa foi lançada na segunda feira e já conta com quase 15 milhões de dólares acumulados por doações. Entenda mais abaixo:

Motivadas por revolta e determinação de corrigir a falta de balança de poder que parecia intratável alguns meses atrás, 300 atrizes e agentes, escritoras, diretoras, produtoras e executivas de entretenimento formaram uma iniciativa ambiciosa e que irá se espalhar para lutar contra o assédio sexual sistemático em Hollywood e em ambientes de trabalho por todo o país.

A iniciativa inclui:

Um fundo de defesa legal, apoiado por 13 milhões de dólares em doações, para ajudar mulheres menos privilegiadas – como zeladoras, enfermeiras e trabalhadoras em fazendas, fábricas, restaurantes e hotéis – a se proteger da má conduta e efeitos colaterais da denúncia.
Legislação para penalizar as empresas que toleram o assédio persistente e desencorajar o uso de acordos de não divulgação para silenciar as vítimas.
Um impulso para alcançar a paridade de gênero em estúdios e agências de talentos que já começaram a avançar.
E um pedido que as mulheres que participarão do tapete vermelho do Golden Globes se posicionem e conscientizem ao usarem preto.

Chamado de Time’s Up, o movimento foi anunciado na segunda-feira com um compromisso apaixonado de apoio às mulheres trabalhadoras em uma carta aberta assinada por centenas de mulheres no show business, a maioria delas sendo A-listers. A carta também apareceu em anúncios de uma página completa no The New York Times, e no La Opinion, um jornal espanhol.

“A dificuldade para mulheres entrarem, se erguerem e simplesmente serem ouvidas e reconhecidas em ambientes de trabalho dominado por homens deve acabar. O tempo acabou nesse monopólio impenetrável,” diz a carta.

O grupo responde a pergunta de como as mulheres de Hollywood responderiam à cascata de acusações que acabou com a carreira de homens poderosos em uma indústria onde a prevalência da predação sexual produziu o clichê do “teste do sofá”, e onde o silêncio tem sido uma condição de trabalho.
O Time’s Up também ajuda a desarmar a crítica de que o foco do movimento #MeToo foi dominado pelos acusadores de homens de alto perfil, enquanto as dificuldades das mulheres da classe trabalhadora foram ignoradas.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

A produtora de Margot Robbie, LuckyChap Entertainment, conseguiu um contrato de dois anos com o departamento de TV da Warner Brothers e já vendeu sua primeira série de drama, Shattered Glass, para a NBC. Mantendo sua promessa, a série é criada, escrita e estrelada por mulheres. Confira detalhes:

A LuckyChap Entertainment de Margot Robbie fechou um contrato de dois anos com a Warner Bros. Television. A produtora já vendeu seu primeiro projeto com o contrato, o drama Shattered Glass para a NBC.

Criada e escrita por Kat Blasband Page, Shattered Glass, que não é relacionado com o filme de mesmo nome, é descrita como uma mistura de House of Cards e Revenge. É uma fantasia empoderada de vingança pós-feminismo ambientada no mundo de Wall Street, onde um trio de mulheres modernas se juntam para quebrar suas respectivas barreiras, não se importando com quem está no caminho.

Robbie e Brett Hedblom serão produtores executivos pela LuckyChap Entertainment o lado de Patt Carr que também servirá de showrunner. Page é co-produtora executiva.

“Estamos muito animados com essa nova parceria com a Warner Brothers Television,” os produtores da LuckyChap Margot Robbie, Tom Acerley e Josey McNamara disseram em uma declaração conjunta. “Chegou após um ótimo ano para a LuckyChap onde estivemos pouco a pouco construindo um programa para a televisão supervisionado por nosso executivo Brett Hedblom. Nós continuamos a nos esforçar para contar histórias femininas no cinema e na TV, e estamos imensamente orgulhosos de que nossas duas primeiras séries são criadas, escritas e estreladas por mulheres.”

As duas primeiras séries da produtora são Shattered Glass e Dollface, uma comédia de meia hora que foi vendida recentemente para o Hulu, criada por Jordan Weiss e estrelada por Kat Denning.

No lado dos filmes, LuckyChap, que tem um contrato com a Warner Bros., produziu o filme indicado ao Golden Globe, I, Tonya, e terminou a produção do filme independente Dreamland.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Na manhã de hoje recebemos a ótima notícia de que Margot foi indicada como Melhor Atriz em Comédia ou Musical e I, Tonya foi indicado como Melhor Filme de Comédia ou Musical no Golden Globes 2018! A atriz Allison Janney, que interpreta a mãe de Margot no filme, também foi indicada na premiação como Melhor Atriz Coadjuvante em Comédia ou Musical. Parabéns para todos do elenco e equipe!

Melhor Filme de Comédia ou Musical:
The Disaster Artist
Get Out
The Greatest Showman
I, Tonya
Lady Bird

Melhor Atriz em Comédia ou Musical:
Judi Dench, Victoria & Abdul
Helen Mirren, The Leisure Seeker
Margot Robbie, I, Tonya
Saoirse Ronan, Lady Bird
Emma Stone, Battle of the Sexes

Melhor Atriz Coadjuvante em Comédia ou Musical:
Mary J. Blige, Mudbound
Hong Chau, Downsizing
Allison Janney, I, Tonya
Laurie Metcalf, Lady Bird
Octavia Spencer, The Shape of Water