O diretor Quentin Tarantino explicou (ou ao menos tentou) para o IndieWire a falta de diálogos para a Sharon Tate de Margot Robbie durante seu filme Once Upon a Time in Hollywood, após se recusar a responder uma jornalista na conferência de imprensa e causar uma pequena polêmica. Confiram:

Margot Robbie, como a doce e silenciosa Sharon Tate, tem muito menos tempo de tela do que seus costars homens. Na conferência de imprensa em Cannes, uma jornalista perguntou a Quentin Tarantino o motivo de Sharon Tate ter tão pouco diálogo. “Eu apenas rejeito a sua hipótese,” ele disse. No filme, seguimos os personagens principais por dois dias em fevereiro de 1969, e retornamos para eles seis meses depois na noite de 8 de agosto. Em fevereiro, seguimos Tate em Westwood enquanto ela assiste sua performance como Freya Carlsosn em The Wrecking Crew.

Na conferência de imprensa, Robbie disse, “O tempo de tela que eu tive me deram a oportunidade de honrar Sharon e sua luz. A tragédia, basicamente, foi a perda da inocência, e realmente poder mostrar esses lados maravilhosos dela, isso podia ser feito adequadamente sem falar. Eu senti que eu tive muito tempo para explorar a personagem, mesmo sem o diálogo especificamente… Raramente tenho a oportunidade de passar tanto tempo sozinha com uma personagem, passando pela rotina diária. Na verdade, eu aprecio o exercício e senti que eu podia entregar o que eu queria na tela.”

Tarantino, mais tarde, me disse: “Havia mais um pouco dela, mas todo mundo perdeu algumas sequências. Não é sua história, é a história do Rick. Não é nem a do Cliff. E ela é essa presença angelical no filme, ela é um fantasma angelical no mundo, e de certa forma, ela não está no filme, está em nossos corações.”

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil