Margot Robbie e Ryan Gosling estão deixando os dias em Barbielândia para trás e embarcando para o próximo destino: Monte Carlo. Os dois estrelarão a prequência da franquia Onze Homens e Um Segredo, até agora intitulada apenas Oceans, como os pais de Danny (George Clooney) e Debbie Ocean (Sandra Bullock). Confira detalhes da sinopse:

As gravações da prequência de Onze Homens e Um Segredo começará em Monte Carlo, Mônaco, em abril de 2024. O filme, ambientado em 1962, conta a história de Elsie (Margot Robbie) e Jack (Ryan Gosling), que planejam roubar brincos valiosos em uma festa em uma mansão ao fingirem ser um casal. Apesar de cumprirem a missão, eles desenvolvem uma antipatia mútua e se separam depois da festa, com Elsie ficando com os brincos sem saber. Mais tarde, em Monte Carlo, eles descobrem uma joia de valor inestimável de propriedade do magnata marinheiro Aristotle Onassis, que aniquilou os camaradas de Jack durante a guerra. Elsie e Jack então decidem destruir Onassis impedindo sua vitória no fraudado Grand Prix de Mônaco e roubando o diamante com a ajuda de uma equipe.

Jay Roach, que dirigiu Trumbo, filme indicado ao Oscar, está no comando da prequência. Roach trabalhou anteriormente com Robbie no drama biográfico de 2019 Bombshell, que também contou com Charlize Theron e Nicole Kidman no elenco. Os créditos recentes do cineasta incluem a série de dramédia da Apple TV+, High Desert, com Patricia Arquette. Carrie Solomon, quem escreveu A Family Affair para a Netflix, estrelando Nicole Kidman e Zac Efron, assina o roteiro.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

Barbie recebeu nove indicações no Golden Globes, a primeira premiação televisionada da temporada, incluindo Melhor Filme Musical ou Comédia, e se consagrou com o filme com maior indicações na edição de 2024. Confira todas abaixo:

— Melhor Atriz (Margot Robbie)
— Melhor Ator Coadjuvante (Ryan Gosling)
— Melhor Canção Original (I’m Just Ken, Dance the Night e What Was I Made For?)
— Melhor Roteiro (Greta Gerwig e Noah Baumbach)
— Melhor Direção (Greta Gerwig)
— Box Office & Cinematic Achievement
— Melhor Filme Musical ou Comédia

Como parte do evento Actors on Actors, a revista Variety juntou Margot Robbie e Cillian Murphy para falar sobre os filmes do ano: Barbie e Oppenheimer. Veja as fotos, a transcrição da entrevista e os vídeo dos quarenta minutos de conversa entre os atores abaixo:

CILLIAN MURPHY: Parabéns pelo seu filme que fez um sucesso razoável. Você também o produziu. Como soube que um filme da Barbie se conectaria com o público desta maneira?
MARGOT ROBBIE: 90% de mim estava certa de que o filme seria uma grande coisa e um sucesso enorme, e 10% de mim pensou: “Oh, isso pode dar muito errado.” Tudo dependia da Greta Gerwig. Eu pensava: “Se não fosse pela Greta, então, sim, esse filme poderia ter sido um grande desastre.”
MURPHY: Ela sempre foi sua primeira escolha?
ROBBIE: Eu não ia deixá-la dizer não. Conseguimos os direitos há mais ou menos seis anos. Tiramos da Sony, organizamos na Warner Bros., conseguimos a bênção da Mattel para produzirmos, depois fomos atrás da Greta. É óbvio que eu não sabia que seria o fenômeno cultural que acabou sendo.
MURPHY: Quando foi que você percebeu?
ROBBIE: Durante todo o tempo. O fato de ser a Greta Gerwig, as pessoas ficaram: “Greta Gerwig e um filme da Barbie, o quê?” Depois as fotos do Ryan Gosling patinando em Venice Beach comigo saíram e se espalharam mais do que eu esperava. Eu pensava que seria grande, mas foi maior do que eu esperava.
Mas e você? Você pensou que tantas pessoas assistiriam um filme sobre o surgimento da bomba atômica?
MURPHY: Não. Acho que nenhum de nós pensou. Christopher Nolan sempre esteve determinado de que fosse lançado como um grande filme de verão. Sempre foi o plano dele. E ele tem uma superstição em torno desta data, o dia 21.
ROBBIE: Todos os filmes dele estreiam nesta data?
MURPHY: No dia 21 de julho ou por volta desse dia, sempre.
ROBBIE: É uma boa data. Escolhemos essa também!
MURPHY: Sim, eu sei.
ROBBIE: Um de seus produtores, Chuck Roven, me ligou, porque já trabalhamos juntos em outros projetos. E ele disse: “Acho que vocês deveriam mudar de data.” E eu respondi: “Não vamos mudar. Se você está com medo de competir com a gente, mude a sua.” Ele respondeu: “Não vamos mudar a nossa data. Só acho que seria melhor que vocês mudassem.” E eu disse: “Não vamos mudar!” Acho que é uma ótima dupla, na verdade. É a sessão dupla perfeita, Oppenheimer e Barbie.
MURPHY: Foi um bom instinto.
ROBBIE: Claramente o mundo concordou. Que bom. O fato de que as pessoas estavam falando: “Ah, assiste Oppenheimer primeiro e Barbie depois.” Pensei: “Viram? Eles gostam de tudo.” As pessoas são estranhas.
MURPHY: E elas não gostam que digam o que devem fazer. As pessoas vão decidir e gerar interesse elas mesmas.
ROBBIE: Acho que as pessoas também ficaram muito animadas por conta dos cineastas. Elas estavam ansiosas para o próximo filme do Chris Nolan e pelo próximo filme da Greta Gerwig. Receber os dois ao mesmo tempo foi emocionante. Você já fez quatro filmes com o Christopher Nolan, né?
MURPHY: Este é o sexto, na verdade.
ROBBIE: Então você gosta dele? É um grande fã.
MURPHY: Parece funcionar. Essa é a primeira vez que interpreto um papel principal para ele. Sempre interpretei coadjuvantes ao longo dos anos — estamos trabalhando juntos há 20 anos. Emma Thomas, esposa dele e produtora, me ligou porque o Chris não tem telefone. Ela o colocou na linha e ele falou com seu sotaque muito britânico: “Estou fazendo um filme sobre o Oppenheimer, gostaria que você o interpretasse.” Eu tinha acabado um trabalho, não estava fazendo nada. Percebi que era diferente dos outros projetos que havia feito com ele, porque era a história da vida do Oppenheimer. Depois, quando ele me entregou o roteiro, estava escrito em primeira pessoa, o que eu nunca havia lido antes, então…
ROBBIE: O roteiro foi escrito em primeira pessoa? Estava escrito: “Eu vou colocar o copo na mesa e andar em direção à porta?”
MURPHY: Exatamente. O que é algo que nunca li antes. Então ficou muito claro que ele queria que a narrativa fosse muito subjetiva. Isso aumentou o sentimento de: “Eita, porra, isso é importante.”
ROBBIE: Por que você gosta de trabalhar com ele? E por que você acha que ele gosta de trabalhar com você? Eu sei que você vai ter que talvez ser muito humilde e responder: “Não sei porque ele gosta de mim, não entendo.” Dê um palpite.
MURPHY: Com o Chris, é só o trabalho. Ele não está interessado em nada além do trabalho e do cinema. Ele é incrivelmente focado e isso é muito rigoroso.
ROBBIE: Quando ele te ligou e falou de um filme sobre o Oppenheimer, você respondeu: “Entendi”? Ou disse: “Quem? Eu deveria ler um livro.”
MURPHY: Eu sabia a nível básico do Wikipédia. Sabia sobre a Experiência Trinity, sobre o Projeto Manhattan e obviamente o que aconteceu em 1945, mas não sabia sobre nada do que aconteceu depois ou coisa do tipo.
ROBBIE: Então você leu muito para se preparar. O que mais você fez?
MURPHY: Falei sozinho andando pelo meu porão.
ROBBIE: Sério? Eu também me preparo como uma psicopata. Você encontrou algo que o ajudou a entrar no personagem?
MURPHY: Fisicamente, havia muitas fotos e ele sempre estava de pé com uma mão na cintura. Ele era um homem tão pequeno, mas sempre estava com um tipo de postura animada. Percebi isso logo no começo como uma característica física. Depois, Chris Nolan ficava me mandando fotos do David Bowie, na era do Thin White Duke, com as calças grandes e volumosas.
E você? É uma personagem tão difícil. Ela é um tipo de ícone do século 20, mas não é uma pessoa de verdade. Como você a entendeu?
ROBBIE: Foi muito estranho preparar a Barbie como personagem. Todas as minhas ferramentas básicas não se aplicavam para ela. Eu trabalho com uma professora de atuação, um professor de dialeto e com um professor de movimento, e leio e assisto tudo o que puder. Conto muito com a ajuda do trabalho com animais. Acho que eu estava fingindo ser um flamingo ou algo assim por 45 minutos, e de repente disse: “Não tá funcionando.”
Fui até a Greta e falei: “Me ajuda, não sei por onde começo com essa personagem.” Ela respondeu: “Tudo bem, do que você tem medo?” E eu disse: “Eu não quero que ela pareça burra ou boba, mas ela não deve ter nenhum conhecimento. Ela precisa ser completamente ingênua e ignorante.” Então Greta encontrou um episódio de This American Life em que uma mulher não consegue ser introspectiva, ela não tem essa voz na cabeça que narra constantemente a vida como nós temos. A mulher tem um PhD e é muito inteligente, mas não possui um monólogo interno.
MURPHY: Ela é feliz?
ROBBIE: Sim, completamente.
MURPHY: Você acha que ela é mais feliz?
ROBBIE: Minha nossa, pensei nisso. Ela meio que pensa exatamente sobre que está diante dela — um foco no que está exatamente diante dela no momento.
MURPHY: Bem, isso é perfeito, não é? Devemos falar sobre os figurinos. Então você claramente ainda não está cansada do rosa.
ROBBIE: Não, ainda não terminei com o rosa. Sim, os figurinos são incríveis. Quero dizer, não dá para fazer um filme da Barbie sem o rosa e todo mundo entrou na onda. Eu organizei um dia chamado “Nas quartas usamos rosa”. Conhece a referência de Meninas Malvadas?
MURPHY: Eu tinha me esquecido.
ROBBIE: Elas usam rosa nas quartas-feiras. Então, se você não usasse rosa no set, era multado e eu doava para a caridade. Sinto que sempre os homens ficam: “Ah, finalmente tenho permissão para usar rosa e me fantasiar!” Ficava cada vez mais louco, até o Ryan dizia: “Acho que preciso de um casaco de pele.” Ficava insano.
Na minha opinião, há dois tipos de pessoas no mundo: aquelas que são obcecadas por Peaky Blinders e as que não assistiram Peaky Blinders. Obviamente estou na primeira categoria, então, podemos por favor falar sobre Tommy Shelby por um minuto? Quero dizer, foram anos e anos da sua vida.
MURPHY: Sim, 10 anos. Foi como uma aventura que durou 10 anos. Começamos a filmar no fim de 2012.
ROBBIE: Vai acontecer um filme spinoff?
MURPHY: Estou aberto à ideia. Sempre pensei que se há mais história para contar…
ROBBIE: Por favor, faça. Por favor! Obviamente, agora revelei que sou uma grande fã, não apenas de Peaky Blinders. Eu também amo a sua história de ninar no aplicativo Calm. Porém, como sou uma grande fã, também assisti muitas entrevistas no YouTube e dizem por aí na internet que você não está ciente do que são memes e coisas assim. Primeiramente, é verdade? E em segundo lugar, se for verdade, você esteve ciente no fenômeno Barbenheimer ou simplesmente passou despercebido porque você usa um celular de abre e fecha ou algo assim?
MURPHY: Eu tenho dois filhos adolescentes, sei o que é um meme. Agora eu sei que há memes sobre eu não saber o que são memes.
ROBBIE: É um ótimo meme. É como um Inception de memes. Um meme dentro do outro.
MURPHY: Realmente, eu não sabia na época, mas as pessoas esquecem que foi há muito tempo.
ROBBIE: Talvez eu não soubesse na época o que é um meme. Não sou muito boa com tecnologia.
MURPHY: Exatamente. E acho que as crianças que começaram com isso, não é? Agora que se tornou um meme por cima do outro, estou ciente. Mas em grande parte é porque as pessoas me mandam ou me mostram dizendo: “Você precisa ver isso.”
ROBBIE: Você viu alguma das artes de Barbenheimer feitas por fãs?
MURPHY: Era impossível evitar.
ROBBIE: Não achou algumas ótimas? As pessoas são tão espertas. Muitos me perguntaram se os departamentos de marketing dos estúdios estavam se comunicando e eu respondi: “Não, é o mundo que está fazendo isso! Não é parte de uma campanha de marketing.”
MURPHY: E eu acho que aconteceu porque os dois filmes eram bons. Na verdade, naquele verão, havia uma grande diversidade de conteúdos no cinema e acho que se conectou de uma forma que você, eu, os estúdios ou qualquer pessoa poderia ter previsto.
ROBBIE: É uma coisa que não pode ser forçada ou orquestrada.
MURPHY: Não, e talvez nunca aconteça de novo.

Fonte | Tradução & Adaptação: Equipe Margot Robbie Brasil

O Gotham Awards estreou nesta segunda-feira (27) uma nova categoria, a Global Icon & Creator, e o filme escolhido para receber a homenagem foi Barbie! Margot Robbie esteve presente na premiação com o marido e produtor Tom Ackerley, a diretora Greta Gerwig e o roteirista Noah Baumbach. A atriz Laura Dern ficou encarregada da homenagem para as criadoras do maior filme do ano. Confira: